Siga-nos em

Buscas no site

Supremo Tribunal Federal
Supremo Tribunal Federal
Supremo Tribunal Federal Foto: Divulgação/STF

BRASIL

Absurdo: STF comprará R$ 138 mil em água mineral; gasto supera inflação em 40%

A Corte quer adquirir 158.400 garrafas de 500 ml, que serão destinadas a ministros e servidores. No ano passado, custo foi de R$ 90,7 mil

A Corte quer adquirir 158.400 garrafas de 500 ml, que serão destinadas a ministros e servidores. No ano passado, custo foi de R$ 90,7 mil

O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu licitação, no dia 4 de outubro, com intuito de adquirir água mineral – com e sem gás –, de forma parcelada, para as dependências da Corte. O valor total do pregão é de R$ 138.624. No ano passado, um processo foi aberto, com a mesma quantidade de itens, mas custou R$ 90,7 mil. Em 2021, portanto, o gasto será 40,3% superior, em termos reais (já considerada a inflação do período).

Além dessa despesa com as licitações, o tribunal já arca, mensalmente, com o custo de consumo de água na sede e nos anexos da Casa.

De acordo com o edital, o órgão vai comprar 158.400 garrafas de 500 ml de água. Do total, 14,4 mil serão com gás – que custarão R$ 12.384 – e o restante sem – que significa gasto de R$ 126.240.

Propaganda. Role para continuar lendo.

O valor unitário das águas com e sem gás são, respectivamente, R$ 0,86 e R$ 0,87.

A água deve ser “acondicionada em garrafas plásticas, transparentes, descartáveis, com capacidade de 500 ml, com tampa de rosca e lacre de segurança. Cada garrafa deve conter data do envase (dia, mês e ano) e prazo de validade legíveis”, diz a especificação do documento.

O período do contrato será de um ano, e os produtos devem ser entregues conforme necessidade da Corte.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Em agosto do passado, a Corte também abriu licitação para comprar água mineral. Na ocasião, o valor total do pregão chegou a R$ 90.780. Trata-se da mesma quantidade de produtos solicitados, mas o custo aos cofres públicos foi menor.

Na época, o preço da garrafa saiu por R$ 0,56. É preciso, contudo, levar em consideração a inflação – que ficou em 11,22% nos últimos 13 meses (de agosto de 2020 a setembro deste ano). Com base nisso, o valor do item deveria ser de R$ 0,62 em 2021, mas será adquirido por R$ 0,87, despesa 40,3% superior.

Em relação à necessidade da grande quantidade de garrafas de água mineral, a Corte disse que o cálculo é feito com base no consumo médio dos produtos nas últimas contratações. O órgão ainda pontuou que tem tentado reduzir o uso de plástico na Casa.

Propaganda. Role para continuar lendo.

“O STF tem feito um esforço, ao longo dos últimos anos, de estimular o consumo da água nos bebedores do tribunal por meio de garrafas e canecas próprias, tendo acabado com o uso de copos plásticos, como medida ecológica”, diz nota do Supremo.

As informações são do Metrópoles


Salim Mattar questiona: ‘Se fosse um juiz do STF na capa da IstoÉ?’

Solto pelo STF, traficante André do Rap completa 1 ano foragido

Carla Zambelli irá ao STF para ser ouvida pela CPI da Covid

Malafaia revela três ministros ‘contrários’ a Mendonça no STF


1 Comment

1 Comment

  1. Ana lucia

    22/10/2021 em 3:12 pm

    Esses caras são uns desgraçados, a cada dia suga mais e mais o estado brasileiro , vai tomar água da boca como muitos brasileiros fazem .

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Sabatina do ex-AGU está marcada para a próxima quarta-feira

BRASIL

Em suas redes sociais, senadora afirmou que irá pautar o relatório pela Constituição

BRASIL

Afirmação foi feita pelo presidente ao ser questionado sobre a variante ômicron da Covid-19

BRASIL

Presidente do STF disse que PEC sobre o tema seria uma violação da harmonia entre os poderes

Anúncios