Siga-nos em

Buscas no site

Coreia Do Norte Cristãos Executados Por Possuírem A Bíblia, Bebês Recém Nascidos Assassinados
Coreia Do Norte Cristãos Executados Por Possuírem A Bíblia, Bebês Recém Nascidos Assassinados
Coreia Do Norte Cristãos Executados Por Possuírem A Bíblia, Bebês Recém Nascidos Assassinados

Artigos

Coreia do Norte: Cristãos executados por possuírem a Bíblia, bebês recém-nascidos assassinados

“Havia barras de aço em todos os quatro lados que eram aquecidas com eletricidade”, disse ele à KFI. “Normalmente os prisioneiros duravam apenas três ou quatro horas na gaiola, mas eu sentei lá por 12 horas e orei. Continuei orando a Deus para me salvar”

Perseguindo a Fé: Documentando violações da liberdade religiosa na Coreia do Norte

Um novo relatório expôs as atrocidades feitas aos cristãos norte-coreanos presos por sua fé, incluindo abortos forçados, assassinato de bebês recém-nascidos e morte por execução por possuir uma Bíblia.

A Iniciativa do Futuro da Coreia, com sede em Londres, publicou seu último relatório, “Perseguindo a Fé: Documentando violações da liberdade religiosa na Coreia do Norte”, que inclui informações de 117 entrevistas com exilados do país isolado.

A investigação documenta 273 vítimas de violações da liberdade religiosa, com idades entre apenas 3 anos e mais de 80 anos.

Embora adeptos de várias religiões sejam mantidos nos campos de “reeducação” da Coreia do Norte, as punições mais severas são reservadas para os cristãos, concluiu o relatório.

Mais de 200 cristãos foram identificados como vítimas punidas por crimes, incluindo prática religiosa, atividades religiosas na China, posse de itens religiosos, contato com pessoas religiosas, frequentar um local de culto e compartilhar crenças religiosas.

O relatório documentou os vários métodos de tortura que as vítimas sofreram nos campos de prisioneiros da Coreia do Norte, incluindo estrangulamento, fome, sendo forçadas a ingerir alimentos poluídos, privação de sono e espancamento excessivo.

Uma ex-prisioneira relembrou: “Os homens eram espancados como cães. Até na cela. Gritavam como loucos porque doíam muito.

“Embora as mulheres fossem menos espancadas, levei um soco no rosto e minha pele se rompeu e sangrei muito. [Oficiais] me disseram para limpar o sangue, então eu limpei. Chorei muito quando eles me bateram de novo. Sangue e a secreção escorreu durante meu exame pré-julgamento. Eles me bateram de novo porque eu chorei. “

Em vários casos, prisioneiros encontrados com uma Bíblia ou panfletos religiosos foram executados por um pelotão de fuzilamento, enquanto outros foram trancados em gaiolas eletrificadas e alimentados com sopa aguada. Outros foram executados por contrabandear páginas da Bíblia da China para os norte-coreanos fazerem livros de orações.

Em um caso, uma vítima encontrada com uma Bíblia foi executada publicamente na frente de mais de 1.000 pessoas. A vítima foi amarrada a uma estaca de madeira e executada por um pelotão de fuzilamento MPS.

Uma testemunha disse à KFI: “Eu vi a carne cair. Isso é o quão perto eu estava. “

Outro homem, que se converteu ao cristianismo, foi supostamente forçado a entrar em uma gaiola de metal de apenas 1 metro de altura e 1,20 metro de largura.

“Havia barras de aço em todos os quatro lados que eram aquecidas com eletricidade”, disse ele à KFI. “Normalmente os prisioneiros duravam apenas três ou quatro horas na gaiola, mas eu sentei lá por 12 horas e orei. Continuei orando a Deus para me salvar. “

O homem acabou sujando-se e desmaiou antes de ser espancado pelos guardas, deixando-o com ferimentos graves.

Os investigadores documentaram 32 incidentes de violência sexual contra as mulheres – que representaram 60% das vítimas identificadas no relatório – e abortos forçados.

No centro de detenção preventiva MSS da província de North Hamgyong, por exemplo, mulheres grávidas foram forçadas a receber uma injeção para iniciar o parto. Depois de dar à luz a bebês vivos, os recém-nascidos eram retirados deles, sufocados por guardas com lençóis de plástico ou sacos de pano e depois descartados em um armário de limpeza.

“As mães das crianças abortadas foram forçadas a retomar o trabalho manual no dia seguinte ao aborto e sem medicamentos ou descanso”, observou o relatório.

Meninas de apenas 3 anos foram forçadas a passar por revistas de cavidade corporal “degradantes internas e invasivas”, de acordo com o relatório.

Em alguns casos, famílias inteiras foram presas e condenadas a campos de prisioneiros políticos separados por aderir ao cristianismo.

Um indivíduo entrevistado compartilhou como 10 participantes de grupos de estudo da Bíblia foram presos e condenados a campos de prisioneiros políticos. Posteriormente, o pai de uma das vítimas foi informado de que seu filho havia morrido em um campo de prisioneiros políticos.

Il-lyong Ju, um exilado defensor dos direitos humanos que ajudou a redigir o relatório, disse que os norte-coreanos são “doutrinados a desprezar a religião desde tenra idade” e a “divinizar o líder supremo”.

“As ações cruéis dos poucos privilegiados na Coreia do Norte que tiram nossas vidas e controlam nossos pensamentos devem ser evitadas”, disse ele.

“As autoridades norte-coreanas, cujos crimes evocam pensamentos de Auschwitz, devem ser identificadas e responsabilizadas. E não devemos esquecer os testemunhos dos sobreviventes neste relatório que dominaram a morte na Coreia do Norte. Isso é o mínimo que nós, os livres norte-coreanos, e você, o leitor a quem foi concedida a liberdade ao nascer, podemos fazer como nosso ato coletivo de humanidade. Temos liberdade. O povo norte-coreano, não. ”

Por meio do relatório, conduzido ao longo de um período de sete meses em 2019-2020, a KFI disse que espera “fornecer uma contabilidade precisa dos padrões de violações da liberdade religiosa documentadas perpetradas contra cidadãos norte-coreanos e informar a tomada de decisões na comunidade internacional”.

Liderada por Kim Jong Un, a Coreia do Norte foi, nos últimos 18 anos, classificada como o pior perseguidor de cristãos no mundo na Lista Mundial de Vigilância do Portas Abertas dos EUA.

Kenneth Bae, um pastor coreano-americano que foi mantido refém na Coreia do Norte de 2012 a 2014, compartilhou como o governo norte-coreano tem mais medo dos cristãos do que das armas nucleares. De acordo com Bae, a maioria dos norte-coreanos nunca ouviu o nome de Jesus.

“Eles disseram, ‘não temos medo de armas nucleares … temos medo de alguém como você trazer a religião para o nosso país e usá-la contra nós e então todos se voltarão para Deus e este se tornará o país de Deus e nós cairemos, ” Bae disse.


Livro chinês reescreve a Bíblia, afirma que Jesus apedrejou mulher até a morte

Acordo controverso entre o Vaticano e a China renovado: ‘A Santa Sé decidiu dançar com o lobo’

Pastores na China forçados a adicionar ideologia comunista às histórias da Bíblia

Austrália é um teste piloto em escala real para a nova ordem mundial


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Útimas

MUNDO

O chefe da Organização Mundial da Saúde sugeriu que as restrições ao coronavírus continuarão mesmo depois que uma vacina for amplamente disponibilizada.

ECONOMIA

Reino Unido está caminhando para “falências em massa de negócios” e “desemprego em massa”

MUNDO

“Todos nós temos o mesmo objetivo em mente, que é usar o processo legal nos próximos dias e semanas para garantir que o presidente...

MUNDO

Saudação dos globalistas: Angela Merkel, Presidente da UE Saudações Futuro 'Cooperação' com Joe Biden

MUNDO

Graças a Deus não cabe a Cuomo sobre como a nação procede. Ele estragou tudo em Nova York, ele não pode falhar nacionalmente.

Você pode gostar

MUNDO

Comunista e ditador venezuelano Nicolás Maduro zombou dos Estados Unidos.

noticias

Quem diria que a Síndrome de Perturbação de Trump chegou ao reino sobrenatural?

MUNDO

Cuba demoliu uma igreja que há muito era alvo do regime comunista e prenderam um pastor que transmitiu a demolição ao vivo nas redes...

BRASIL

“Somos contra o autoritário embaixador chinês João Doria, que agora tornaria a vacina obrigatória contra nossa vontade”, disse o manifestante André Petros.