Siga-nos em

Buscas no site

Filipe Barros Se Diz Convicto Da Aprovação Do Voto Auditável
Filipe Barros Se Diz Convicto Da Aprovação Do Voto Auditável
Filipe Barros Se Diz Convicto Da Aprovação Do Voto Auditável

BRASIL

Filipe Barros se diz convicto da aprovação do voto auditável

Relator da PEC sobre a medida diz que a reforma ministerial pode ter solucionado entrave político

Relator da PEC sobre a medida diz que a reforma ministerial pode ter solucionado entrave político

O relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do voto impresso auditável, deputado federal Filipe Barros (PSL-PR), afirmou que está convicto de que a matéria será aprovada pelos parlamentares da Comissão Especial da Câmara. A declaração foi dada em uma entrevista ao site Metrópoles, publicada neste domingo (1°).

– Estou convicto da aprovação. Tenho falado diariamente com vários deputados e líderes partidários, estou chegando em um texto que é um denominador comum – disse.

O relatório do deputado deve ser lido e votado na próxima quinta-feira (5). Para que seja aceito, o texto precisa ser aprovado pela maioria simples dos 34 membros do colegiado. Após aprovação na comissão, a proposta vai ao plenário da Câmara e, caso avance, irá ao Senado. Para valer em 2022, a medida precisa ser promulgada até outubro.

A expectativa antes do recesso parlamentar era de que a proposta não seria aprovada. Porém, deputados apoiadores da medida decidiram adiar a apreciação do tema. Com isso, Barros se articulou nos bastidores em prol do andamento do texto. Para reverter o quadro desfavorável, o deputado aposta em um texto mais simples e objetivo.

Propaganda. Role para continuar lendo.

– Minha ideia é simplificar e reduzir o texto deixando os aspectos essenciais dele. Optei naquele momento [antes do recesso] por um texto mais completo, uma vez que um dos motivos pelo qual o ministro Gilmar Mendes votou pela inconstitucionalidade do voto impresso decorre do fato do Congresso não ter dado um norte para o TSE – declarou.

O relator da PEC disse ainda que acredita que fatores políticos impediram o andamento do projeto já no primeiro semestre e destacou que a reforma ministerial, com a ida do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil, pode ter ajudado a solucionar o problema.

– O principal problema não era de ordem técnica, mas de ordem política, e imagino que isso tenha sido solucionado com essa reforma ministerial – completou.


Bia Kicis reclama da “pressão” do TSE contra o voto auditável

Atos pelo voto auditável enchem ruas de várias cidades pelo Brasil

Pressão do povo pelo voto impresso pode influenciar votação na Câmara, diz deputado

‘Os mesmos que tiraram Lula da cadeia vão contar os votos’


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Petista estaria avaliando "com especial atenção" a possibilidade

BRASIL

Medida que aumenta a tunga no bolso do cidadão valerá para as eleições realizadas entre 2022 e 2030

BRASIL

Ministro da Infraestrutura não definiu se visará um governo estadual ou o parlamento

BRASIL

Pastor também disse que irá expor, em um vídeo, quem é o presidente do TSE

Anúncios