Siga-nos em

Buscas no site

Presidente Da Câmara, Arthur Lira Foto Agência BrasilFabio Pozzebom
Presidente Da Câmara, Arthur Lira Foto Agência BrasilFabio Pozzebom
Presidente Da Câmara, Arthur Lira Foto Agência BrasilFabio Pozzebom

BRASIL

Lira defende fim da taxação excessiva de bens e serviços

Presidente da Câmara dos Deputados se manifestou neste domingo

Presidente da Câmara dos Deputados se manifestou neste domingo

Lira (PP-AL), disse que é preciso “acabar com a taxação excessiva” sobre bens e serviços essenciais que vigora no país.

Como mostrou o Broadcast Político, os devem votar na próxima terça-feira o projeto de lei complementar que define energia, combustíveis, telecomunicações e transporte como bens essenciais e estabelece alíquota máxima de 17% no ICMS sobre tais itens. Economistas calculam que a medida poderia aliviar o IPCA de 2022 em até 1,2 ponto porcentual.

– Ou o Brasil acaba com a taxação excessiva de bens e serviços essenciais ou a excessiva taxação de bens e serviços acaba com o Brasil. O Brasil precisa controlar a saúva, mais uma vez – escreveu Lira, no Twitter.

Lira se reuniu, na última quinta-feira, com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para discutir a proposta. Ele cobrou a costura de uma saída conjunta entre Congresso, governo e Executivo para os aumentos na conta de luz e nos combustíveis

Propaganda. Role para continuar lendo.

O projeto do ICMS, que será votado nesta semana, é de autoria do deputado Danilo Forte (União-CE) e tramitará em regime de urgência. O parlamentar chegou a classificar os reajustes nas tarifas de energia como “draconianos”.

– O essencial é definir o que é essencial. E o essencial é o Brasil e os brasileiros. O Congresso Nacional, a começar pela , tenho certeza, sempre ficará – como sempre ficou – a favor do que é essencial para o nosso país. E esta semana isso ficará essencialmente claro – afirmou o presidente da Câmara.


Veja também

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

BRASIL

Caminhoneiro fez o anúncio por meio de vídeo em seu perfil do Telegram

BRASIL

Ministro negou recurso de policiais militares para revisão de pena

BRASIL

Dos 98 parlamentares que votaram contra o projeto de lei, 48 são do PT

BRASIL

Relator defende que "saidinhas" causam "sentimento de impunidade". Deputados do PT e organizações ligadas aos direitos humanos contestam PL

Anúncios