Siga-nos em

Buscas no site

Novas Mutações São Consequencias Das Intervenções Não Farmacêuticas, Incluindo Bloqueios E Distanciamento Social
Novas Mutações São Consequencias Das Intervenções Não Farmacêuticas, Incluindo Bloqueios E Distanciamento Social
Novas Mutações São Consequencias Das Intervenções Não Farmacêuticas, Incluindo Bloqueios E Distanciamento Social

Artigos

Novas mutações são Consequências das intervenções não farmacêuticas, incluindo bloqueios e distanciamento social?

“Como em muitas áreas da ciência, estamos tentando enganar a morte manipulando a natureza (neste caso, nossa própria natureza) e a natureza acabará reagindo. “

As intervenções não farmacêuticas, incluindo bloqueios e distanciamento social, permitiram que variantes de vírus mais perigosas prosperassem?

No início de 2020, embarcamos em um experimento epidemiológico nacional na tentativa de reduzir a carga de mortalidade do novo vírus SARS-CoV-2. A premissa do experimento, embora nunca formalmente definida, era testar a eficácia de intervenções não farmacêuticas com relação à taxa de infecção e subsequente número de mortes de um vírus respiratório transportado pelo ar.

A hipótese foi tratada como uma conclusão precipitada e apresentada com poucas dúvidas. Uma redução significativa nas interações pessoa a pessoa dentro de uma população levará a uma diminuição da taxa de infecção e reduzirá o número de mortes associadas ao vírus. A comunidade científica estava tão confiante nessa hipótese que nem a apresentou como hipótese. O experimento não foi definido como um experimento. Os dados resultantes foram posteriormente ignorados.

É fácil perceber por quê. Dada a nossa compreensão mais básica de como os vírus se propagam de uma pessoa para outra, quaisquer medidas que suprimam a transmissão de vírus devem inevitavelmente levar a uma redução na mortalidade associada. Mas, dado que nunca realmente investigamos essa correlação em um ambiente do mundo real, talvez as suposições baseadas em nosso “entendimento mais básico” não sejam suficientes. Não importa o quanto estejamos certos do resultado, a boa ciência trata de fazer perguntas. Se as respostas contradizerem suas suposições, essas respostas devem causar uma mudança em seu entendimento.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Não importa o quão certos estejamos do resultado, boa ciência trata de fazer perguntas

Após um ano do grande experimento, temos uma grande quantidade de dados globais para informar nossas conclusões. Esses dados contradizem amplamente a hipótese confiante com a qual embarcamos nessa jornada e, portanto, foram ignorados. Cientistas e políticos se agarraram a palhas, manipularam dados ou simplesmente ignoraram as evidências na tentativa de salvaguardar a integridade da ideia original.

Mas a evidência é clara. O Reino Unido implementou medidas rígidas de bloqueio durante a crise, fechando intermitentemente a indústria de hoteis, exigindo máscaras faciais, reforçando o distanciamento social e proibindo as famílias de se misturarem. Nossos amigos na Suécia tinham um bloqueio muito mais brando, fechando apenas escolas e faculdades para crianças mais velhas, nunca exigindo máscaras faciais e mantendo bares e restaurantes abertos por toda parte. Tanto o Reino Unido quanto a Suécia conviveram com o SARS-CoV-2 por quase um ano com resultados muito diferentes. A lógica de nossa hipótese dita que a Suécia deveria ter visto um número muito maior de mortes relacionadas ao coronavírus (em relação à sua população) do que o Reino Unido. A realidade é que a taxa de mortalidade na Suécia é consideravelmente mais baixa .

Esta informação por si só não é suficiente para refutar nossa hipótese. Afinal, estamos apenas comparando dois países, e há muitas outras variáveis ​​em jogo, como densidade populacional, clima e demografia. A simples comparação de dados de dois países com duas abordagens muito diferentes da situação não é suficiente para fornecer uma resposta. Mas deve ser o suficiente para justificar mais perguntas.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Existe uma correlação entre o rigor das intervenções não farmacêuticas e a carga de mortalidade da SARS-CoV-2? Talvez a melhor fonte de dados para isso sejam os EUA, onde diferentes estados implementaram diferentes medidas.

Total de mortes por milhão no EUA: gráfico de estados. Dados até 01/02/2021

Existem algumas ressalvas a esses dados. Primeiro, Nova Jersey, com o maior número de “mortes por Covid por milhão”, tem a maior densidade populacional de todos os estados. O Alasca tem a mais baixa. O simples fato de que as linhas vermelhas neste gráfico não se agrupam na extremidade direita não prova a eficácia dos bloqueios. Além disso, não há diferença estatística entre a média de bloqueio e a média de não bloqueio nesses dados, então ninguém poderia alegar que os bloqueios levam a mais mortes da Covid com base apenas nessa evidência.

A evidência deve nos levar a reconsiderar o que sabemos e aplicar nosso conhecimento de uma maneira diferente

Dakota do Sul, com uma densidade populacional muito baixa, parece contrariar a tendência esperada. É por causa da falta de bloqueio? Possivelmente. Mas a Flórida, com uma densidade populacional muito alta (oitava no país), parece muito menor do que deveria, apesar da falta de bloqueio. Nebraska e Wyoming estão no topo da lista do que deveriam, enquanto Utah está um pouco abaixo. Geórgia e Carolina do Sul estão um pouco abaixo do esperado, enquanto Iowa e Dakota do Norte são significativamente maiores. Se introduzirmos o clima como um fator, levando em consideração as temperaturas médias, esperaríamos ver Dakota do Norte em algum lugar próximo ao topo, enquanto Nova Jersey deveria estar muito mais abaixo. Existem muitas variáveis ​​em jogo, mas os dados devem ser suficientes para questionar a eficácia dos bloqueios – especialmente devido ao alto custo de tais medidas.

A razão pela qual relutamos tanto em aceitar que bloqueios e outras intervenções não farmacêuticas (NPIs) tenham pouco ou nenhum impacto sobre a carga de mortalidade do vírus SARS-CoV-2 é que é difícil encontrar uma explicação para isso. No entanto, em vez de negar a evidência na ausência de uma explicação, a evidência deve nos levar a reconsiderar o que sabemos e aplicar nosso conhecimento de uma maneira diferente.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Uma possível explicação para a ineficácia das intervenções não farmacêuticas está em nossa compreensão da evolução. Todos nós entendemos que os humanos evoluíram para se tornar mais inteligentes ao longo de milhões de anos, mas isso não aconteceu por design. Os seres humanos que nasceram com cérebros maiores devido a uma mutação genética aleatória e espontânea tinham uma vantagem sobre aqueles com cérebros menores e, portanto, eram mais propensos a sobreviver e se reproduzir. A “linhagem” mais inteligente dos humanos dominou e substituiu a competição. Mas uma espécie só evolui dessa maneira quando é colocada sob pressão. Sem os desafios ambientais a serem superados, não haveria luta pela sobrevivência e as “linhagens” mais inteligentes de seres humanos não teriam nenhuma vantagem. Em outras palavras, se viver na Terra fosse fácil, ainda seríamos macacos.

No mundo microscópico, as mutações genéticas são mais comuns e, portanto, a evolução ocorre em um ritmo acelerado. É por isso que os médicos relutam em prescrever antibióticos, uma vez que o uso excessivo dessa intervenção pode levar à evolução dos superbactérias.

Algumas pessoas acham essa ideia difícil de entender. Por que e como as bactérias podem sofrer mutações para superar as ameaças à sua existência? Afinal, elas não são sencientes. Elas não entendem seu ambiente ou “decidem” revidar. Mas, na realidade, não é a introdução de antibióticos que estimula a mutação de bactérias resistentes aos antibióticos. Essas mutações estão acontecendo de qualquer maneira, espontaneamente, aleatoriamente. Novas variantes bacterianas estão surgindo o tempo todo e alguns deles acontecem para ser resistente aos antibióticos. Isso ainda seria o caso se os antibióticos não existissem.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Em um mundo sem antibióticos, as mutações resistentes a antibióticos não têm nenhuma vantagem sobre outras variantes bacterianas. Elas são um flash na panela. Breve e raro. Mas quando você introduz antibióticos na mistura, você confere uma vantagem às bactérias resistentes aos antibióticos, permitindo que elas se desenvolvam, se multipliquem, dominem e se desloquem. É por isso que devemos ter muito cuidado com os antibióticos e considerar quando é apropriado e necessário usá-los. Os antibióticos salvam muitas vidas, mas se usados ​​de forma irresponsável por um longo período de tempo, podem exterminar uma espécie.

Imagine se administrássemos antibióticos a cada membro da sociedade uma vez por mês para prevenir quaisquer infecções possíveis. É provável que veríamos uma redução acentuada na mortalidade relacionada a bactérias, como a pneumonia bacteriana, mas apenas a curto prazo. As bactérias infecciosas rapidamente evoluiriam para superbactérias resistentes a antibióticos, tornando nossas intervenções preventivas redundantes e ameaçando a segurança de todos na Terra.

Vírus e bactérias não são muito diferentes. Assim como as bactérias, os vírus sofrem mutações espontânea e aleatoriamente, dando origem a milhares de diferentes variantes ou mutações do mesmo vírus. A maioria dessas mutações não faz diferença em como o vírus interage com nosso sistema imunológico e não confere nenhuma vantagem real à variante em questão. No entanto, algumas mutações podem alterar a natureza do próprio vírus nas seguintes áreas principais:

Propaganda. Role para continuar lendo.
  • Virulência: a probabilidade de o vírus nos deixar gravemente doentes, aumentando o risco de hospitalização e morte;
  • Transmissibilidade: a facilidade com que o vírus é transmitido de um indivíduo infectado para outro;
  • Detectabilidade: a facilidade com que o vírus pode ser detectado por certos métodos de teste.

Atualmente, existem mais de 4000 variantes conhecidas do vírus SARS-CoV-2. Alguns desses vírus serão menos virulentos do que o original; outros serão mais virulentos. Alguns serão mais transmissíveis do que o original; outros serão menos transmissíveis. Alguns serão detectados mais facilmente com o teste de PCR; outros serão detectados com menos facilidade.

Todos esses fatores conferem vantagens e desvantagens às variantes em questão, mas a extensão dessas vantagens depende das pressões do ambiente em que existem. As intervenções não farmacêuticas alteraram, pela primeira vez, dramaticamente o contexto daquele ambiente.

Em qualquer espécie, uma mutação que leva ao aumento da força ou inteligência provavelmente será vantajosa e, portanto, dominará a competição e se tornará mais prevalente. Em um ambiente hostil, a vantagem dessas mutações é exagerada e a prevalência de variantes genéticas vantajosas aumenta ainda mais. É assim que os organismos evoluem para lidar com as ameaças.

Uma variante mais transmissível de um vírus tem uma vantagem clara sobre uma variante menos transmissível; mas se pressionamos o vírus, conferimos uma vantagem ainda maior às variantes mais contagiosas.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Imagine dois países em guerra um com o outro. Um deles possui mísseis com alcance de 4.000 milhas, enquanto o outro possui mísseis com alcance de 3.500 milhas. Se os países estiverem separados por apenas 3.000 milhas, nenhum dos dois terá vantagem na luta. Mesmo que um conjunto de mísseis tenha um alcance maior, eles não têm mais probabilidade de encontrar o alvo. Agora aplique essa lógica a duas variações de um vírus, uma das quais é mais transmissível do que a outra. Em um ambiente com contato próximo regular entre as pessoas à medida que se reúnem em multidões, a variante mais transmissível não tem uma vantagem tão distinta sobre as outras e tem menos probabilidade de dominar e deslocar a variante menos transmissível. A variante menos transmissível ainda está encontrando seu alvo, infectando aquela pessoa, adoecendo e deixando-a (na grande maioria dos casos) com imunidade natural,

Em um mundo de distanciamento social, estamos conferindo uma vantagem maior às variantes mais transmissíveis desse vírus

Em um mundo de distanciamento social, ordens para ficar em casa, máscaras e proibição de reuniões em massa, estamos sem dúvida suprimindo o vírus. Mas estamos conferindo uma vantagem maior às variantes mais transmissíveis desse vírus. Efetivamente, estamos afastando nossos dois países em guerra, de modo que apenas os mísseis de longo alcance sejam capazes de encontrar seus alvos. De repente, fica mais claro qual desses países vencerá a guerra. As variantes virais mais transmissíveis irão dominar e deslocar as variantes menos transmissíveis em uma taxa acelerada. Dessa forma, é possível que nossos esforços para suprimir o vírus estejam acelerando a evolução das variantes resistentes ao NPI, assim como o uso de antibióticos acelera a evolução das bactérias resistentes aos antibióticos.

Da mesma forma, algumas mutações aleatórias e espontâneas do vírus SARS-CoV-2 serão mais difíceis de detectar com o teste de PCR devido às diferenças em sua proteína de pico, por exemplo. Se dependermos do teste e rastreamento como forma de controlar o vírus, as variantes menos detectáveis ​​terão uma vantagem sobre as que podemos identificar e se tornarão mais prevalentes.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Agora, ao aspecto mais importante – virulência. No contexto do comportamento humano normal, as variações que sofreram mutação para se tornarem mais virulentas estão em clara desvantagem. Isso porque, antes de 2020, só ficávamos em casa se estivéssemos doentes demais para sair. Se tivéssemos um pouco de dor de garganta e nariz escorrendo, ainda assim iríamos trabalhar. Ainda iríamos para a escola. Ainda iríamos assistir a eventos esportivos, teatro, cinema, clubes, shows de rock, festas, festivais, protestos e serviços religiosos. Isso significava que as cepas mais virulentas, que eram mais propensas a deixar as pessoas muito doentes, tinham uma desvantagem natural em comparação com as cepas menos virulentas. É por isso que os vírus geralmente evoluem para se tornarem menos mortais ao longo do tempo. As variantes menos virulentas tendem a dominar porque as espalhamos mais, infectando mais pessoas e conferindo imunidade natural antes que essas pessoas entrem em contato com uma variante mais rara e mais virulenta.

As intervenções não farmacêuticas basicamente nivelaram o campo de jogo. Se todos ficarem em casa, independentemente de quão mal se sintam, as variantes menos virulentas perdem a vantagem. Além disso, pode-se argumentar que não estamos nivelando o campo de jogo, mas sim inclinando a balança em favor das variantes mais virulentas. Afinal, enquanto aqueles com sintomas leves estão confinados em suas casas, aqueles com sintomas graves são forçados a deixar suas casas e fazer a transição para um ambiente lotado, cheio de pessoas vulneráveis. Hospital.

Já existem algumas evidências emergentes para apoiar esta teoria. A variante Kent é relatada como sendo mais transmissível e mortal, enquanto a variante da África do Sul tem maior probabilidade de deixar as pessoas gravemente doentes. É uma coincidência que a prevalência dessas variantes surgiu em países com medidas muito rígidas em vigor durante a pandemia? É uma coincidência que a variante Kent tenha dominado após um período de bloqueios regionais e nacionais no Reino Unido? Se os bloqueios são a chave para impedir essas mutações perigosas, então onde está a variante sueca? Onde está a variante da Índia?

Propaganda. Role para continuar lendo.

A variante recente dos EUA foi denominada de “o diabo ”, por ser considerada mais contagiosa e com maior probabilidade de adoecer gravemente as pessoas. Mas essa variante se tornou predominante na Flórida ou Dakota do Sul, onde as medidas são mais relaxadas? Não. Ele surgiu na Califórnia após um período prolongado de pedidos de permanência em casa e fechamentos de empresas.

Poderiam esses mecanismos evolutivos sutis ser a resposta ao mistério dos bloqueios? Enquanto estamos reduzindo a propagação do vírus, estamos simultaneamente encorajando o vírus a se tornar mais virulento e transmissível, negando assim qualquer efeito positivo sobre a carga de mortalidade geral e diminuindo o retorno de nossas intervenções? Enquanto isso, essas intervenções estão destruindo meios de subsistência, demolindo nossa cultura, ameaçando nossa democracia e, como o próprio governo admite, colocando milhares de vidas em perigo.

Ainda existem muitos mistérios não resolvidos em virologia. Este experimento global está lançando luz sobre alguns desses mistérios e temos a responsabilidade coletiva de tomar cuidado com as evidências.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Não podemos permitir que os bloqueios se tornem o “novo normal”. Isso pode ser o equivalente à administração preventiva generalizada de antibióticos a indivíduos saudáveis. As evidências sugerem que nosso antigo modo de vida estava nos mantendo seguros, protegendo o Sistema de Saúde e salvando vidas, enquanto nosso novo modo de vida está em perigo de inaugurar uma nova era de mutações virais mortais que não podemos esperar controlar ou tratar. Como em muitas áreas da ciência, estamos tentando enganar a morte manipulando a natureza (neste caso, nossa própria natureza) e a natureza acabará reagindo. Se continuarmos a brincar de Deus, enquanto ignoramos as evidências e os dados, podemos viver para nos arrepender.

Autoria: Jemma Moran é Chefe de Comunicação da Equipe de Aconselhamento e Recuperação de Saúde (HART), um grupo independente de médicos e especialistas acadêmicos que estão trabalhando para ampliar o debate sobre a política da Covid-19.

Traduzido do Inglês para o português: link original aqui

Propaganda. Role para continuar lendo.

Por que não devemos nos preocupar com as ‘super’ novas cepas da Covid

A microbiologista tcheca Soňa Peková afirma que a cepa da covid da 2ª e 3ª ondas foi artificialmente projetada

Novo estudo descobriu que variantes do coronavírus provavelmente irão evoluir, escapar da atual geração de vacinas

Novo estudo sugere que a vacina deixa mais suscetível ao COVID-19 nos dias após a vacina


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Artigos

O tratamento odontológico não colocará você em risco de contrair COVID-19, afirma um novo estudo.

MUNDO

Restaurantes e lojas dos EUA estão aumentando rapidamente os salários em um esforço urgente para atrair mais candidatos e acompanhar uma enxurrada de clientes...

Artigos

“Obviamente, usar o medo como meio de controle não é ético. Usar o medo cheira a totalitarismo. Não é uma postura ética para nenhum...

Artigos

Empresas, líderes políticos e até a OMS estariam acobertando real origem do vírus

Anúncios