Siga-nos em

Buscas no site

Oswaldo Eustáquio Rebate Alexandre De Moraes
Oswaldo Eustáquio Rebate Alexandre De Moraes
Oswaldo Eustáquio Rebate Alexandre De Moraes

BRASIL

Oswaldo Eustáquio para Alexandre de Moraes: ‘Se não prender o Randolfe, terá que soltar Silveira’

Em entrevista ao Pânico, o jornalista afirmou que sua prisão foi ‘imoral’, ‘inconstitucional’ e ‘ilegal’: ‘Calaram nossa voz por um projeto político’

Em entrevista ao Pânico, o jornalista afirmou que sua prisão foi ‘imoral’, ‘inconstitucional’ e ‘ilegal’: ‘Calaram nossa voz por um projeto político’

Em entrevista ao programa Pânico na manhã desta quinta-feira (29), o jornalista Oswaldo Eustáquio afirmou que as prisões decretadas pelo ministro Alexandre de Moraes no Supremo Tribunal Federal (STF) são “inconstitucionais”.

“Daniel Silveira está preso, eu estive lá. 33 dias preso sem crime. O Brasil é o único país do mundo que tem um deputado federal com imunidade parlamentar preso de forma imoral, ilegal e inconstitucional. Ele foi preso porque, em tese, ele no máximo injuriou um ministro do STF por crime de opinião, nem injúria é aquilo. O STF tem agora em mãos um pedido para o Randolfe Rodrigues, que está na mão do Alexandre de Moraes. Se o Alexandre de Moraes não prender o Randolfe, terá que soltar o Daniel Silveira”, afirmou Eustáquio.

Oswaldo ainda relembrou sua passagem pelo Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, onde ficou detido por cerca de dois meses.

Segundo ele, em sua passagem foi torturado, espancado e até hoje possui marcas pelo corpo.

Propaganda. Role para continuar lendo.

“Eu fui preso porque a minha voz e a voz dos que estavam na rua para defender o presidente Jair Bolsonaro era alta demais. Eles tinham que calar nossa voz pelo projeto político que eles tinham. Não fui acusado, nem indiciado. Tenho marcas até hoje no braço, porque nem exame de delito me deixaram fazer. Eu fui espancado na cadeia. Aqui não se trata de esquerda ou direita, e sim de uma questão humanitária. Os médicos não podem dizer se eu vou voltar a andar, mas eu creio num Deus que vai me fazer voltar a andar. Estou numa cadeira de rodas hoje por ter defendido a minha pátria”, disse o jornalista.

Hoje em uma cadeira de rodas após fratura na quinta vértebra da coluna durante sua passagem na prisão, o jornalista afirmou que ele e a família ainda são alvos de perseguições.

“Meus filhos tiveram que sair da escola. Tenho imagens de carros sem placa parando na frente da minha casa. Até minha esposa foi seguida. Continuo recebendo diversas ameaças. Eu não posso deixar de erguer minha voz porque eu tenho um propósito. A nossa geração vai mudar a história do Brasil varrendo a esquerda. O conservadorismo e os valores de Jesus Cristo vão prevalecer. Se acontecesse com qualquer jornalista no Brasil o que aconteceu comigo, o Jornal Nacional estaria falando sobre isso”.

As informações são da JovemPan


Daniel Silveira denuncia Moraes na Comissão Interamericana

Advogado pede prisão de Alexandre de Moraes em flagrante por crime de tortura

Barroso, Moraes e Fachin montam ‘artilharia pesada’ contra voto impresso

Randolfe convoca MST para “pôr fim” ao governo Bolsonaro


Propaganda. Role para continuar lendo.
1 Comment

1 Comment

  1. Iva

    30/07/2021 em 3:05 pm

    A prisão do jornalista Oswaldo Eustáquio foi absurdamente ilegal. Cadê os advogados do Brasil para defender esse cidadão de bem? Ele merece uma indenização milionária. Quem Alexandre de Moraes pensa que é? É um ser cheio de pecados, corrupto, não apoia o voto impresso auditável. É um ser insignificante, mas que nós, brasileiros, estamos deixando ele governar o Brasil. Um dia, isso acabará. Aguarde.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Presidentes da Câmara e do Senado falaram sobre a iniciativa do presidente de apresentar proposta sobre exclusão de conteúdo nas redes sociais

BRASIL

Alvo de Ciro Nogueira é o governador petista do Piauí, que durante meses anunciou o imunizante

BRASIL

Homem cumpre pena de mais de 30 anos por cinco homicídios

BRASIL

O objetivo é ampliar o acesso à rede pública federal de ensino

Anúncios