Siga-nos em

Buscas no site

Pacientes Que Tiveram Covid Grave Apresentam Anticorpos Um Ano Depois
Pacientes Que Tiveram Covid Grave Apresentam Anticorpos Um Ano Depois
Pacientes Que Tiveram Covid Grave Apresentam Anticorpos Um Ano Depois

Artigos

Pacientes que tiveram Covid grave apresentam anticorpos um ano depois

Pesquisa indica que defesas capazes de proteger o corpo de uma nova infecção duram mais para quem apresentou formas graves da doença

Pesquisa indica que defesas capazes de proteger o corpo de uma nova infecção duram mais para quem apresentou formas graves da doença

Um estudo publicado no domingo (2/5), no site medRixv, ajuda a acumular evidências para responder a uma das perguntas mais intrigantes da pandemia: até quando dura a imunidade adquirida após ter se recuperado da Covid-19?

De acordo com o estudo feito pela Uniformed Services University of Health Sciences, dos Estados Unidos, a duração da atividade dos anticorpos vai depender, principalmente, da gravidade do quadro superado pelo paciente.

No levantamento – que ainda está em versão de pré-publicação, aguardando a checagem de outros pesquisadores –, os cientistas observaram, durante o período de um ano, 250 pessoas que contraíram o coronavírus. Destes, 192 pacientes tiveram Covid-19 leve ou moderada e 58 precisaram de internação.

Propaganda. Role para continuar lendo.

As amostras de sangue dos pacientes foram coletadas três meses, seis meses e um ano após a recuperação. Ao fim de um ano, 100% do grupo que havia ficado internado tinha anticorpos neutralizantes. Entre as pessoas que contraíram a forma leve ou moderada da doença, esse percentual era de apenas de 18%.

No exame anterior, realizado quando os pacientes tinham completado seis meses de recuperação, 95% do grupo que teve Covid-19 leve ou moderada ainda possuía anticorpos neutralizantes, ou seja, a queda brusca se deu nos seis meses seguintes.

Especialistas acrescentam, entretanto, que as informações sobre anticorpos não são suficientes para prever qual o desfecho de casos em que se tenha contato com o vírus de novo. Isso porque a imunidade celular, garantida pelos linfócitos-T, pode ser suficiente para evitar uma nova infecção.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Fonte: medRixv


Campinas: 87 pessoas morrem antes de criarem anticorpos pós-vacina

Novo estudo: a exposição ao COVID-19 confere imunidade mesmo quando não infectado

Anticorpo de alpaca combate variantes da Covid, diz pesquisa

Ivermectina: Novo estudo revisado por pares demonstrou que a droga é altamente eficaz no tratamento da Covid


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Artigos

O tratamento odontológico não colocará você em risco de contrair COVID-19, afirma um novo estudo.

Artigos

“Obviamente, usar o medo como meio de controle não é ético. Usar o medo cheira a totalitarismo. Não é uma postura ética para nenhum...

Artigos

Empresas, líderes políticos e até a OMS estariam acobertando real origem do vírus

BRASIL

Yang Wanming afirmou ao deputado Aécio Neves que chegada do IFA "logo ocorrerá"

Anúncios