Siga-nos em

Buscas no site

Pesquisadores Taxas De Mortalidade Disparam Em Israel Após 'Vacinas' Contra COVID Da Pfizer
Pesquisadores Taxas De Mortalidade Disparam Em Israel Após 'Vacinas' Contra COVID Da Pfizer
Pesquisadores Taxas De Mortalidade Disparam Em Israel Após 'Vacinas' Contra COVID Da Pfizer

Artigos

Pesquisadores: Taxas De Mortalidade Disparam Em Israel Após Vacinação contra COVID Da Pfizer

Eles afirmam que a vacina da Pfizer causa “mortalidade centenas de vezes maior em jovens em comparação com a mortalidade por coronavírus sem a vacina […]”

Nós relatamos anteriormente como Israel vacinou rapidamente a maior porcentagem de sua população com vacinas contra COVID depois que o governo israelense fez um acordo com a Pfizer para garantir milhões de doses de suas vacinas COVID de mRNA .

Vera Sharav escreveu:

“É surpreendente que o governo de Israel tenha confiado a saúde do povo à Pfizer; celebrando um contrato secreto que inscreveu a população israelense para se tornarem sujeitos de pesquisa, sem seu conhecimento ou consentimento. ”

Até o momento, Israel vacinou mais de 53% de sua população, o dobro da porcentagem da próxima nação mais próxima, a Grã-Bretanha, com 26,9%.

A “notícia oficial” publicada pela mídia corporativa, alegando que as vacinas foram eficazes na redução das taxas de COVID em Israel, foi examinada e examinada pelo Dr. Hervé Seligmann, da Unidade de Doenças Infecciosas e Tropicais Emergentes da Faculdade de Medicina da Universidade de Aix-Marseille, e pelo engenheiro Haim Yativ, que publicou seus resultados em um site de fórum de discussão chamado “ Nakim ”.

Propaganda. Role para continuar lendo.

A informação se tornou viral rapidamente e agora foi traduzida para vários idiomas e abordada em vários sites de notícias em todo o mundo, incluindo Arutz Sheva 7, IsraelNationalNews.com .

Mordechai Sones escreve:

Um artigo de primeira página apareceu no jornal FranceSoir sobre as descobertas no site Nakim sobre o que alguns especialistas estão chamando de “a alta mortalidade causada pela vacina”.

Propaganda. Role para continuar lendo.

O artigo entrevista o Dr. Hervé Seligmann da Unidade de Doenças Infecciosas e Tropicais Emergentes da Faculdade de Medicina da Universidade de Aix-Marseille e o engenheiro Haim Yativ sobre sua pesquisa e análise de dados.

Eles afirmam que a vacina da Pfizer causa “mortalidade centenas de vezes maior em jovens em comparação com a mortalidade por coronavírus sem a vacina, e dezenas de vezes mais em idosos, quando a mortalidade documentada por coronavírus está nas proximidades da dose da vacina, acrescentando assim uma maior mortalidade por ataque cardíaco, derrame, etc. ”

O Dr. Hervé Seligmann trabalha na Unidade de Pesquisa em Doenças Infecciosas e Tropicais Emergentes, Faculdade de Medicina, Universidade Aix-Marseille, Marselha, França. Ele tem nacionalidade israelense-luxemburguesa. Ele tem um B. Sc. É doutor em Biologia pela Universidade Hebraica de Jerusalém e já escreveu mais de 100 publicações científicas.

Propaganda. Role para continuar lendo.

FranceSoir escreve que eles seguem publicações, análises de dados e feedback de vários países sobre vacinação e, portanto, se interessaram pelo artigo de Nakim, pedindo para entrevistá-los a fim de compreender sua análise e suas limitações.

Os autores do artigo declaram não ter nenhum conflito ou interesse além de ter filhos em Israel.

Após a apresentação, os autores discutiram a análise dos dados, as validações realizadas, as limitações e, principalmente, as conclusões que comparam com os dados recebidos por meio de solicitação da Lei de Liberdade de Informação do Ministério da Saúde.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Suas descobertas são:

Existe um descompasso entre os dados divulgados pelas autoridades e a realidade local.

Eles possuem três fontes de informação, além dos e-mails e notificações de eventos adversos que recebem pela Internet.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Essas três fontes são o site de notícias israelense Ynet, o banco de dados do Ministério da Saúde de Israel e o banco de dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) federal dos EUA.

Em janeiro de 2021, havia 3.000 registros de eventos adversos da vacina, incluindo 2.900 para vacinas de mRNA.

Em comparação com outros anos, a mortalidade é 40 vezes maior.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Em 11 de fevereiro, um artigo da Ynet apresentou dados relacionados à vacinação. Os autores do artigo Nakim afirmam ter desmascarado esta análise com base nos dados publicados pela própria Ynet:

“Pegamos os dados observando a mortalidade durante o período de vacinação, que se estende por 5 semanas. Ao analisar esses dados, chegamos a números surpreendentes que atribuem mortalidade significativa à vacina.”

Os autores afirmam que “as vacinações causaram mais mortes do que o coronavírus teria causado durante o mesmo período”.

Haim Yativ e o Dr. Seligmann declaram que, para eles, “este é um novo Holocausto”, em face da pressão da autoridade israelense para vacinar os cidadãos.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Eles também convidam especialistas para concluir suas análises e pretendem buscar o acompanhamento jurídico de sua descoberta. O Ministério da Saúde não estava disponível para comentar uma consulta da FranceSoir sobre os resultados.

Os autores também lamentaram “o fato de não poderem comunicar esta informação vital” aos seus concidadãos.

Artigo completo aqui.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Mordechai Sones também tem sua própria transmissão de rádio em Israel, e algumas semanas atrás ele começou sua transmissão lendo os nomes de 28 pessoas que morreram após as vacinas de mRNA contra COVID da Pfizer.

A lista começa com alguns rabinos idosos, mas também inclui jovens que supostamente não tinham problemas de saúde e morreram repentinamente, incluindo uma mulher de 25 anos.

Depois de ler esses 28 nomes, Mordechai afirma:

Propaganda. Role para continuar lendo.

“A lista continua, mas não pode ser trazida aqui na íntegra devido a limitações de tempo.”

Um israelense que postou este relato no YouTube declarou :

“Fiz este pequeno vídeo com uma transmissão de áudio de Mordechai Sones; para que eu pudesse passar adiante a informação de que muitas pessoas aqui em Israel têm morrido após receber a vacina Pfizer Covid-19.

Mas nenhuma dessas informações parece estar chegando aos principais meios de comunicação.


PUBLICAÇÃO TAXADA COMO ‘FALSA’ PELA FOLHA DE SP

Propaganda. Role para continuar lendo.

Abaixo os argumento da Lupa, agência de checagem da Folha de SP:

A informação analisada pela Lupa é falsa. Israel começou a campanha de vacinação no final de dezembro com o imunizante da Pfizer/BioNTech, e desde o final de janeiro, a curva de novos casos e de mortes diárias por Covid-19 vem caindo.

Primeiramente não foi o ContraFatos! que afirmou que a taxa de mortalidade aumentou depois da vacinação, mas os pesquisadores que foram citados na publicação. Segundo, Israel começou vacinar em 20 de dezembro e, 12 dias depois, já tinha vacinado mais de um milhão de pessoas. Em 20 de dezembro os gráficos de mortes e novos casos eram os seguintes:

Depois de 31 dias do início da vacinação Israel atingiu seu maior pico de mortes de toda a pandemia: abaixo o gráfico:

Novamente o pico de novos casos ocorreu depois do inicio da vacinação, mais especificamente depois de 38 dias do inicio: abaixo o gráfico de novos casos diários:

Não queremos tirar conclusões a respeito do estudo citado na publicação, mas a falta de embasamento das agências de checagem é muito gritante. Os dados mostram que houve um aumento de mortes e de novos casos depois da vacinação, e esse fato é inquestionável. O que a agência poderia ter usado como argumento para contestar o estudo, é o tempo de efeito das vacinas e o reflexo disso na transmissão do vírus. Entretanto, parece que eles preferem brigar com números. E os números não mentem.


VAERS é um sistema de relatório passivo, o que significa que depende de indivíduos para enviar relatórios de suas experiências ao CDC e à FDA. VAERS não foi projetado para determinar se uma vacina causou um problema de saúde, mas é especialmente útil para detectar padrões incomuns ou inesperados de notificação de eventos adversos que podem indicar um possível problema de segurança com uma vacina. Dessa forma, o VAERS pode fornecer ao CDC e ao FDA informações valiosas de que trabalho e avaliação adicionais são necessários para avaliar uma possível preocupação com a segurança.

Propaganda. Role para continuar lendo.

REFERÊNCIAS:

http://www.nakim.org/israel-forums/viewtopic.php?p=276314

https://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/297051

Propaganda. Role para continuar lendo.

https://newsbusters.org/blogs/techwatch/alexander-hall/2021/03/03/pundit-alleges-twitterarabs-account-blocks-all-lgbtq


Hospitais Na França São Obrigados A Diminuir a vacinação contra Covid Enquanto Os Profissionais Da Saúde Adoecem Em Massa

Empresa israelense proíbe funcionários de voltar ao trabalho sem a vacinação contra COVID-19

Israel: ‘Podemos precisar ser vacinados a cada seis meses’

Por Que as Mortes Após A Vacinação contra COVID-19 São Sempre Consideradas Coincidências?


1 Comment

1 Comment

  1. Mark

    06/03/2021 em 12:22 am

    Isso vai virar uma guerra mundial. O vírus foi feito em laboratório

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

MUNDO

Uma mulher do Alasca disse que testou positivo para COVID-19 depois de ter sido totalmente vacinada - e depois de já ter contraído o...

BRASIL

Marilene Saade, mulher do ator, contou que ele tomou as 2 doses da vacina Coronavac; a primeira no dia 9 de fevereiro e a...

Artigos

O coquetel fora utilizado no ano passado, no tratamento do então presidente Donald Trump

Artigos

Este microchip é inserido abaixo da pele. Se você tiver infecção, este chip aciona o sensor.

Anúncios