Siga-nos em

Buscas no site

O Primeiro Ministro Húngaro, Viktor Orban
O Primeiro Ministro Húngaro, Viktor Orban
O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban. © Reuters / Bernadett Szabo

MUNDO

Primeiro Ministro da Hungria: Será ‘vacina ou morte’ para os antivacinas

A vacinação de todos os cidadãos húngaros contra a Covid-19 é inevitável, disse o PM Viktor Orban, afirmando que mesmo os antivacinas mais radicais enfrentarão a escolha entre morrer com o vírus e receber uma injeção.

A vacinação de todos os cidadãos húngaros contra a Covid-19 é inevitável, disse o PM Viktor Orban, afirmando que mesmo os antivacinas mais radicais enfrentarão a escolha entre morrer com o vírus e receber uma injeção.

Falando à rádio Kossuth na sexta-feira, o líder húngaro atacou os relutantes em se vacinar contra o coronavírus, marcando-os como uma ameaça “não apenas para eles próprios, mas para todos os outros”.

No final, todos terão que ser vacinados; até mesmo os antivacinas perceberão que serão vacinados ou morrerão. Portanto, peço a todos que aproveitem esta oportunidade.

O estado-membro da UE está enfrentando atualmente sua quarta onda de coronavírus, afirmou Orban, atribuindo a situação àqueles que não foram vacinados. “Se todos fossem vacinados, não haveria uma quarta onda ou seria apenas uma pequena”, afirmou o PM.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Além de instar os não vacinados a irem e finalmente receberem suas vacinas, Orban também promoveu doses de reforço, revelando que já havia tomado três doses de uma vacina contra o coronavírus.

“A única coisa que nos protege do vírus é a vacinação. E agora estamos vendo também, pelo menos os especialistas são unânimes em dizer, que quatro a seis meses após a segunda vacinação, o poder protetor da vacina enfraquece. Portanto, a terceira vacinação se justifica ” , disse.

A Hungria já anunciou novas medidas anti-Covid, embora um pouco aquém das medidas rígidas propostas pela Câmara Médica do país na quarta-feira. O corpo médico pediu uma proibição geral de eventos de massa e sugeriu que a entrada em restaurantes, teatros e outros locais fechados fosse condicional ao certificado de vacinação Covid-19. Em vez disso, Budapeste lançou o uso obrigatório de máscara para a maioria dos ambientes internos, além de tornar as doses de reforço obrigatórias para todos os trabalhadores médicos, a partir de sábado.

Uma nação de 10 milhões, a contagem total da Hungria de casos registrados da Covid está pairando um pouco abaixo da marca de um milhão. Na sexta-feira, registrou um novo recorde diário, com quase 11.300 novas infecções por Covid. Mais de 32.700 pessoas na Hungria sucumbiram à doença durante o curso da pandemia.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Revolta: França envia polícia para ilha dominada por protestos contra bloqueios e vacinação obrigatória

Letônia proíbe deputados não vacinados de votar no parlamento

Disney vai proibir crianças não vacinadas em cruzeiros

Pfizer, BioNTech e Moderna estão lucrando 515 milhões de reais por dia com as vacinas contra Covid-19, segundo pesquisa


2 Comentários

2 Comentários

  1. Deise Marques

    21/11/2021 em 9:31 pm

    É incrível ver como os lideres dos países estão obsecados por um vírus que sempre existiu, mas que por interesses políticos e financeiros querem empurrar vacinas goela abaixo do povo, um vírus que eles pagaram para ser potencializado em um laboratório na china, e que já esta mais doque sabido que tem um médico americano, mais o prineiro ministro do canada e outros paises por trás dessa FRAUDEMIA.

  2. Maria Alice Martins Romano

    20/11/2021 em 11:24 am

    Europa com surto de Covid? Pudera, apesar do inverno, eles não têm um pingo, sequer, de higiene.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Advogado de 28 anos morreu em agosto, três dias após tomar o imunizante da AstraZeneca

BRASIL

Deputada comentou a situação em suas redes sociais

MUNDO

Países europeus estão endurecendo as restrições

BRASIL

Vereador propõe criar uma lei para que as pessoas que não tomaram vacina não tenham direito de ir ao hospital

Anúncios