Siga-nos em

Buscas no site

Templo Satânico Processa Empresa De Publicidade Por Recusa Em Exibir Outdoors De 'Rituais' De Aborto
Templo Satânico Processa Empresa De Publicidade Por Recusa Em Exibir Outdoors De 'Rituais' De Aborto
Templo Satânico Processa Empresa De Publicidade Por Recusa Em Exibir Outdoors De 'Rituais' De Aborto

MUNDO

Templo Satânico processa empresa de publicidade por recusa em exibir outdoors de ‘rituais’ de aborto

O Templo Satânico é conhecido por tomar medidas legais contra as regulamentações estaduais sobre o aborto.

Quer promover o aborto como um “ritual religioso”

O templo satânico entrou com uma ação contra uma empresa de publicidade por se recusar a exibir outdoors promovendo o aborto como um “ritual religioso” sagrado que “evita muitas restrições estaduais”.

O templo satânico, com sede em Salem, Massachusetts, abriu processo contra a Lamar Advertising, de Louisiana, que disse que não exibiria oito outdoors perto de centros de gravidez pró-vida em Arkansas e Indiana para promover o “ritual” do Templo que faz parte de sua   campanha pelos Direitos Reprodutivos Religiosos, lançado no início de agosto.

A ação do templo satânico alega que a recusa da empresa equivale a discriminação religiosa. Lamar disse que achou o conteúdo dos anúncios “enganoso e ofensivo”, relatou a CBN.

Um dos anúncios mostra uma tigela de massa de bolo com as palavras “não é um bolo” ao lado de uma imagem de um espermatozóide e um óvulo com “não é um bebê” escrito ao lado. Os anúncios ostentam: “Nosso ritual de aborto religioso evita muitas restrições estaduais”.

“Embora seja compreensível se preocupar em forçar uma entidade privada a se envolver em um discurso ou a fazer objeções, este cenário é diferente”, disse Lucien Greaves, co-fundador do templo satânico, em um comunicado à imprensa. “Lamar inicialmente concordou em trabalhar conosco e sua rejeição parece ter base religiosa. Além disso, eles têm um monopólio virtual em certas regiões. Desta forma, Lamar é capaz de regular o discurso público e eles não têm permissão para excluir seletivamente as vozes religiosas às quais se opõem. ”

Ao lançar sua campanha em agosto, o templo satânico, que é reconhecido como uma organização religiosa, postou um vídeo no YouTube, explicando como planejava usar as Leis de Restauração da Liberdade Religiosa em seu favor para que mulheres que buscam o aborto pudessem renunciar ao aconselhamento, evite ver a imagem do ultrassom de seu bebê ou ouvir seus batimentos cardíacos e se recuse a ter os restos mortais de seu bebê cremado ou enterrado.

Propaganda. Role para continuar lendo.

O vídeo afirmava que a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa dos EUA “geralmente proíbe o governo de interferir no livre exercício religioso de uma pessoa”, incluindo “a realização de rituais religiosos”. O Templo Satânico proclamou que seus rituais religiosos incluíam o aborto, que segundo ele “fornece conforto espiritual e afirma a autonomia corporal e a autoestima”.

“Nos estados que promulgaram a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa, os abortos praticados religiosamente estão isentos de requisitos legais que não são clinicamente necessários”, afirmou o templo satânico no vídeo. O grupo acrescentou que “fará tudo o que puder para garantir que os estados protejam os direitos religiosos de nossos membros de obter abortos no primeiro trimestre sob demanda”, de acordo com a visão de que “você mesmo é o seu senhor”.

O Templo Satânico é conhecido por tomar medidas legais contra as regulamentações estaduais sobre o aborto.

No ano passado, ele processou o estado de Missouri por causa de uma lei pró-vida que exige que as mulheres leiam literatura declarando que “a vida de cada ser humano começa na concepção”. A organização não conseguiu prevalecer, já que tanto a Suprema Corte do Missouri quanto a Oitava Corte de Apelações do Circuito rejeitaram a ação.


Clínica de aborto mata 947 bebês em abortos todos os dias, 39 bebês a cada hora

China: autoridades instalam dispositivos de rastreamento de vigilância em casas de minorias religiosas

Xi Jinping, da China, Capital Mundial do Aborto Forçado, anuncia os direitos das mulheres na ONU

Papa Francisco (Comunista) denuncia aumento do nacionalismo populista


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

MUNDO

Eles gritaram sobre como os direitos ao aborto estão sob cerco, enquanto seguravam cartazes que diziam “Financie o Aborto, não a Polícia”

MUNDO

China comunista quer acabar com a liberdade de fé

OPINIÃO

“A censura à liberdade de expressão, que é o domínio dos regimes totalitários e autoritários, está agora voltando na forma de um novo mecanismo...

MUNDO

O Twitter está sendo processado por uma vítima de pornografia infantil por se recusar a remover imagens dele aos 13 anos, postadas por predadores...

Anúncios