Siga-nos em

Buscas no site

Allan Dos Santos, Do Portal Terça Livre
Allan Dos Santos, Do Portal Terça Livre
Allan dos Santos, do portal Terça Livre Foto: Reprodução

BRASIL

Twitter ‘censura’ Allan dos Santos por ordem da Justiça

Rede social bloqueou a conta do jornalista e do site Terça Livre

Rede social bloqueou a conta do jornalista e do site Terça Livre

Nesta sexta-feira (8), o Twitter decidiu suspender as contas de Allan dos e do Terça Livre na plataforma. A medida atende a uma determinação judicial da Justiça Brasileira.

O jornalista é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) no inquérito das Fake News, relatado pelo ministro Alexandre de Moraes. Atualmente ele mora nos Estados Unidos (EUA).

Esta é a segunda conta de Allan que foi bloqueado por decisão da Corte. Em 2020, Moraes já havia determinado que um perfil do jornalista na plataforma fosse retido.

Propaganda. Role para continuar lendo.

– CONTA CENSURADA no mesmo dia que DOIS jornalistas INDEPENDENTES são anunciados no THE NEW YORK TIMES como vencedores do prêmio Nobel da paz por lutar pela liberdade de expressão em países ditatoriais – apontou.

Twitter ‘censura’ Allan dos Santos por ordem da Justiça

Bolsonaro: ‘Lógico que ampliamos nossa rede com o Telegram. Não tem censura’

Twitter e Google dizem ao STF que ordens de Moraes contra aliados de Bolsonaro podem ser ‘censura prévia’

Contra a censura: Bolsonaro assina MP para limitar remoção de conteúdo das redes sociais

Bolsonaro diz que ações do STF promovem “censura” e “caça às bruxas”


1 Comment

1 Comment

  1. Ricardo Pires

    09/10/2021 em 2:35 pm

    Chega da ditadura da Toga, cadeia urgentemente para 10 dos 11 ministros do STF…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Presidente se manifestou após texto da colunista sobre uso do Telegram

Notícias

Mark Zuckerberg parece se preocupar mais com os resultados financeiros do que com a liberdade de expressão.

BRASIL

No site, é possível contribuir com assinatura de 10 dólares mensais

BRASIL

Site não pode mais ser acessado, enquanto páginas do YouTube foram derrubadas a pedido do STF

Anúncios