Siga-nos em

Buscas no site

Ministério Afirmou Que O Novo Decreto Preserva A Competitividade Dos Itens Da Zona Franca Foto Agência BrasilValter Campanato
Ministério Afirmou Que O Novo Decreto Preserva A Competitividade Dos Itens Da Zona Franca Foto Agência BrasilValter Campanato
Ministério Afirmou Que O Novo Decreto Preserva A Competitividade Dos Itens Da Zona Franca Foto Agência BrasilValter Campanato

BRASIL

Governo corta IPI de produtos de fora da Zona Franca de Manaus

Corte de impostos deve ter efeito sobre 4 mil produtos não fabricados na capital amazonense

Corte de impostos deve ter efeito sobre 4 mil produtos não fabricados na capital amazonense

O federal oficializou a redução de 35% do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) cobrado sobre produtos não fabricados na Zona Franca de Manaus. A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. O texto ainda traz redução adicional do IPI incidente sobre automóveis, de 18% para 24,75%.

– A elevação desse percentual equipara a redução do imposto para o setor automotivo à concedida aos demais produtos industrializados – diz o Ministério da Economia.

O corte de impostos deve ter efeito sobre 4 mil produtos não fabricados na Zona Franca de Manaus. Na região são produzidos eletrodomésticos, veículos, motocicletas, bicicletas, TVs, celulares, aparelhos de ar-condicionado e computadores, entre outros itens.

O Ministério da Economia afirma que o novo decreto preserva a competitividade dos itens da Zona Franca. O governo optou pelo novo decreto para resolver um imbróglio jurídico envolvendo o Tribunal Federal (STF). Em fevereiro, o Executivo fez uma primeira redução de 25% no tributo, valendo para todos os produtos.

Propaganda. Role para continuar lendo.

À época, representantes e políticos ligados à Zona Franca de Manaus reclamaram que, como os produtos feitos no local são livres do imposto, houve perda de competitividade ao reduzir a tributação no restante do país.

Em abril, o governo ampliou em mais 10 pontos porcentuais o corte, deixando de fora da redução adicional produtos que são feitos também na Zona Franca. Em maio, no entanto, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu o segundo decreto, atendendo a pedido do Solidariedade.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Veja também

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

MUNDO

Opositor se manifestou por meio das redes sociais, neste sábado

BRASIL

Ação movida pelo PSB alega que houve falta de gestão institucional do governo em relação à varíola dos macacos

BRASIL

Bruno Calandrini ajuizou pedido no Supremo Tribunal Federal

BRASIL

Empresário registrou boletim de ocorrência sobre o caso

Anúncios