Siga-nos em

Buscas no site

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro Foto: Agência Brasil/Wilson Dias

BRASIL

Moro já tinha seu ‘propósito de poder’ definido, diz Bolsonaro

De acordo com o presidente, Sergio Moro ‘queria era um ministério para trabalhar para ele’

De acordo com o presidente, Sergio Moro ‘queria era um ministério para trabalhar para ele’

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar, nesta quinta-feira (6), seu ex-ministro da Justiça, Sergio Moro. Em entrevista à Rádio Nova FM, de Pernambuco, Bolsonaro afirmou que o ex-juiz possui um “propósito de poder pessoal” e utilizou seu tempo no comando do Ministério da Justiça com essa intenção.

Moro deixou o governo Bolsonaro em 2020, durante a pandemia de Covid-19, e foi trabalhar na iniciativa privada. No final de 2021, no entanto, o ex-ministro se filiou ao Podemos com a intenção de disputar a Presidência da República, sendo assim um adversário de Bolsonaro, que deve tentar a reeleição.

Ao explicar o acordo que fez com Moro ao o escolher como ministro, o presidente afirmou que o ex-juiz não “admitia” interferência.

Propaganda. Role para continuar lendo.

– Dei um ministério para ele de porteira fechada. Mas para todos os ministros eu falei: eu tenho poder de veto. Se alguém lá dentro tiver uma vida, um passado complicado ou começar a criar problemas, eu vou lá e falo: ministro, esse cara tem que ser trocado. Ele não admitia que isso pudesse acontecer no ministério dele – destacou.

Bolsonaro disse ainda que Sergio Moro entrou em seu governo para trabalhar em ganho próprio.

– O que ele queria era um ministério para trabalhar para ele, para os seus propósitos. O propósito de poder dele já estava definido bem lá trás. E ele enganou enquanto pôde externar essa intenção dele em disputar a Presidência da República (…) Na última conversa que eu tive com ele, ele falou que, olha só que ousadia do cara, eu poderia trocar o diretor-geral da PF, desde que indicasse ele para ser ministro do STF. É uma pessoa que não tem noção. Isso não é traição, é uma covardia – ressaltou.

Durante a entrevista, o presidente lembrou ainda o vazamento de mensagens da operação Lava Jato, conhecido como Vaza Jato, e chamou Moro de ingrato.

– Quando estourou isso, todo mundo queira a cabeça dele. Eu peguei ele pelo braço e entrei quase que de mão dada em uma formatura da Marinha. O que mais que eu fiz, teve um jogo do Flamengo no Rio e outro em Brasília. Fui no jogo do Flamengo com ele do meu lado – apontou.


Aos gritos de ‘traíra’, Moro tem recepção constrangedora na Paraíba

‘Moro é o candidato da Globo’, diz Glenn Greenwald

“Desse jeito, ele não vai a lugar nenhum”, diz Fiuza sobre Moro

Salles também rebate Janaina e questiona: ‘Moro ou Bolsonaro?’


Propaganda. Role para continuar lendo.
1 Comment

1 Comment

  1. HEBE NOBRE VERELLA

    07/01/2022 em 1:09 pm

    Educação é o problema que fica evidente em todos os poderes. A matéria ” Educação moral e cívica” ensinava cidadania às crianças para que se tornassem homens consciêntes dos seus deveres com a pátria. Hoje na falta de respeito que reina no país do vale tudo por dinheiro chamado Brasil, qto mais sem respeito as o próximo mais funciona!!! Quem se garante não apela!!!!!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Presidente afirmou que política de drogas ficou mais eficaz após saída do ex-ministro

BRASIL

Segundo o Presidente, estatal pagou R$ 100 bilhões em dívidas decorrentes de obras não realizadas

BRASIL

'Todos devem se lembrar que tínhamos algumas dificuldades no passado, por exemplo, a atuação o MST', disse

Notícias

Presidente indicou que irá vetar a proposta, caso seja aprovada

Anúncios