Siga-nos em

Buscas no site

MUNDO

A China diz que começou o uso público da vacina covid-19 há um mês, contornando os testes clínicos

A China está reivindicando a duvidosa honra de ser a primeira nação a lançar uma vacina experimental contra o coronavírus para uso público, dizendo que começou a inocular grupos de alto risco no final de julho.

Vacinas ainda não passou nos testes clínicos padrão

A China está reivindicando a duvidosa honra de ser a primeira nação a lançar uma vacina experimental contra o coronavírus para uso público, dizendo que começou a inocular grupos de alto risco no final de julho.

Para aqueles que estão acompanhando a pontuação, isso colocaria o lançamento civil de Pequim três semanas antes do da Rússia, com nenhuma das vacinas tendo ainda passado nos testes clínicos padrão. Autoridades de saúde de Pequim disseram no sábado que começaram a dosar alguns médicos e funcionários de empresas estatais com uma vacina experimental covid-19 no final de julho sob protocolos de “uso urgente”.

Autoridades de todo o mundo têm debatido até que ponto devem suspender os protocolos comuns de desenvolvimento de medicamentos para colocar as vacinas e tratamentos covid-19 no mercado. Muitos governos declararam desde o início que não economizariam no desenvolvimento de uma vacina, mas estão se mostrando receptivos na prática à medida que aumenta o número de vítimas humanas e econômicas da pandemia.

O anúncio de Pequim ocorreu após uma controvérsia diplomática na semana passada, na qual Papua-Nova Guiné disse ter repelido um grupo de mineiros chineses que haviam recebido uma vacina experimental contra o coronavírus.

Houve sinais de impaciência na Casa Branca enquanto Pequim alardeava o lançamento da vacina no fim de semana. O presidente Trump tuitou no sábado alegando que a FDA (Food and Drug Administration) ou o “estado profundo” estava atrasando o progresso de uma vacina contra o coronavírus nos Estados Unidos, sem fornecer detalhes substanciais. No domingo, Trump elogiou a autorização de emergência do FDA para o plasma convalescente como um tratamento para covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

O processo de aprovação padrão para uma nova vacina leva anos e requer a observação de um grande número de pacientes ao longo do tempo para garantir a segurança e eficácia. Os Estados Unidos e a China se comprometeram a levar as vacinas ao mercado até o final deste ano ou início de 2021, uma velocidade sem precedentes que exige investimentos gigantescos da fábrica antes que as vacinas passem nos testes de segurança. Agora Pequim e Moscou aumentaram ainda mais a linha do tempo, com um grande número de cidadãos essencialmente sendo solicitados a servir como cobaias em um ato de patriotismo.

Na TV estatal chinesa no sábado, Zheng Zhongwei, chefe do programa de desenvolvimento de vacina contra o coronavírus da China, disse que o “uso urgente” das vacinas experimentais do Sinopharm foi lançado em 22 de julho, com uso inicial para trabalhadores médicos e algumas empresas estatais. Isso aconteceu um mês depois que os militares da China começaram a inocular tropas com uma vacina experimental.

As autoridades estão considerando expandir as vacinas neste outono para funcionários de mercados de alimentos, sistemas de transporte e indústrias de serviços, disse ele.

“Para evitar que a doença se espalhe no outono e inverno, estamos considerando uma expansão moderada do programa”, disse. “O objetivo seria primeiro construir uma barreira de imunidade entre grupos especiais da população. ”

No início deste mês, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que seu país foi o primeiro a aprovar uma vacina para o covid-19. Em resposta aos críticos que questionaram a segurança da vacina acelerada, Putin disse que sua própria filha a recebeu.

Testemunhos pessoais de tratamentos experimentais por altos funcionários geralmente não fazem parte do processo de descoberta de medicamentos. Mas isso tem acontecido repetidamente na pandemia, enquanto os líderes dos países tentam elevar o moral, com poucas ferramentas disponíveis.

Na China, o chefe do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país e executivos proeminentes anunciaram que receberam doses experimentais de uma vacina covid-19. E nos Estados Unidos, Trump fez a famosa propaganda de seu uso de hidroxicloroquina.

Um ponto que permanece sem explicação é por que a China optou por adiar o anúncio do lançamento público de uma vacina experimental por um mês inteiro. Isso pode refletir cautela entre as autoridades, já que uma implementação silenciosa seria mais fácil de terminar se os vacinados relatassem efeitos colaterais graves.

No sábado, as autoridades de saúde chinesas disseram que poucas pessoas que receberam a vacina experimental até agora relataram efeitos adversos e nenhuma relatou febre. Eles não forneceram um número de quantos receberam as vacinas do ensaio.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Útimas

ECONOMIA

Reino Unido está caminhando para “falências em massa de negócios” e “desemprego em massa”

MUNDO

“Todos nós temos o mesmo objetivo em mente, que é usar o processo legal nos próximos dias e semanas para garantir que o presidente...

MUNDO

Saudação dos globalistas: Angela Merkel, Presidente da UE Saudações Futuro 'Cooperação' com Joe Biden

MUNDO

Graças a Deus não cabe a Cuomo sobre como a nação procede. Ele estragou tudo em Nova York, ele não pode falhar nacionalmente.

MUNDO

O processo afirma que 92% dos votantes falecidos estão mortos há mais de um ano

Você pode gostar

ECONOMIA

Reino Unido está caminhando para “falências em massa de negócios” e “desemprego em massa”

MUNDO

Graças a Deus não cabe a Cuomo sobre como a nação procede. Ele estragou tudo em Nova York, ele não pode falhar nacionalmente.

MUNDO

Apesar das repetidas falhas em produzir e administrar vacinas com segurança aos seus cidadãos, o Partido Comunista Chinês insiste que em breve lançará uma...

BRASIL

“Somos contra o autoritário embaixador chinês João Doria, que agora tornaria a vacina obrigatória contra nossa vontade”, disse o manifestante André Petros.