Siga-nos em

Buscas no site

Estudo Tenta Explicar Casais Em Que Um Se Contamina Com Covid E O Outro, Não
Estudo Tenta Explicar Casais Em Que Um Se Contamina Com Covid E O Outro, Não
Estudo Tenta Explicar Casais Em Que Um Se Contamina Com Covid E O Outro, Não

Artigos

Estudo tenta explicar casais em que um se contamina com Covid e o outro, não

Resposta pode estar nos genes que ativariam com maior eficiência as primeiras células de defesa do organismo contra a invasão do vírus

Resposta pode estar nos genes que ativariam com maior eficiência as primeiras células de defesa do organismo contra a invasão do vírus

Pesquisadores brasileiros liderados pela cientista Mayana Zatz, da Universidade de São Paulo (USP), estão tentando descobrir por que algumas pessoas são resistentes à infecção pelo coronavírus naturalmente. Para isso, estão sendo analisados casais onde um dos cônjuges foi infectado e o outro, não.

O material genético de 86 casais foi analisado. Há casos de pessoas de várias idades como, por exemplo, de um idoso com mais de 70 anos que foi hospitalizado com Covid-19, e sua esposa, da mesma idade, e a sogra com 98 anos e morando na mesma casa, não. Outra situação que chamou a atenção foi o de uma senhora de 90 anos que foi infectada com o vírus, mas o marido, de 100 anos, não pegou a doença.

Foram feitos testes sorológicos para descartar casos de infecções assintomáticas. A maioria das pessoas infectada é homem, em comparação com as mulheres, aparentemente mais resistentes à Covid-19. O estudo não contempla contaminados por variantes.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Os resultados foram publicados em versão pré-print e ainda precisam ser revisados pela comunidade científica. Os pesquisadores sugerem que algumas variações genéticas estão associadas a uma ativação mais eficiente de células de defesa (NK) na primeira barreira imunológica contra qualquer vírus — assim, o vírus nem chegaria a se reproduzir no organismo.

“Nossa hipótese é que as variantes genômicas mais frequentes nos parceiros suscetíveis levariam à produção de moléculas que inibem a ativação das células NK. Mas isso é algo que ainda precisa ser validado por meio de estudos funcionais”, afirmou Zatz, em entrevista à Agência Fapesp.

Fonte: Jornal USP


Saiba como é fabricada a vacina de RNA mensageiro da Pfizer e BioNTech

Partido Conservador da Alemanha da Baviera pede estudos clínicos sobre ivermectina

Estudo: Baixo risco de infecção em bebês nascidos de mães com COVID-19

Moscas domésticas podem transportar Covid até 24 horas após a exposição, concluiu o estudo


Propaganda. Role para continuar lendo.
Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Artigos

O tratamento odontológico não colocará você em risco de contrair COVID-19, afirma um novo estudo.

Artigos

“Obviamente, usar o medo como meio de controle não é ético. Usar o medo cheira a totalitarismo. Não é uma postura ética para nenhum...

Artigos

Empresas, líderes políticos e até a OMS estariam acobertando real origem do vírus

BRASIL

Yang Wanming afirmou ao deputado Aécio Neves que chegada do IFA "logo ocorrerá"

Anúncios