Siga-nos em

Buscas no site

Ministro André Mendonça, Do Supremo Tribunal Federal Foto STFSCORosinei Coutinho
Ministro André Mendonça, Do Supremo Tribunal Federal Foto STFSCORosinei Coutinho
Ministro André Mendonça, Do Supremo Tribunal Federal Foto STFSCORosinei Coutinho

BRASIL

ICMS: Mendonça “trava” modelo de cobrança de estados no diesel

Ministro do STF atendeu a pedido do governo e suspendeu a maneira como governos estaduais aplicaram a alíquota única do tributo

Ministro do STF atendeu a pedido do governo e suspendeu a maneira como governos estaduais aplicaram a alíquota única do tributo

O ministro do Tribunal Federal (STF) atendeu ao pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e suspendeu a forma como os estados aplicaram a alíquota única do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o óleo diesel.

Em março, uma lei aprovada pelo e sancionada por Bolsonaro definiu que deveria haver em todo o Brasil uma alíquota única do ICMS sobre o diesel.

Os secretários estaduais de Fazenda fixaram um valor único do ICMS a ser cobrado no preço final do combustível, mas permitiram descontos, o que na prática permitiu a cada estado manter a mesma alíquota que aplicava anteriormente. O valor estabelecido na ocasião foi de R$ 1,006 por litro de óleo diesel S10, o mais usado no país.

Propaganda. Role para continuar lendo.

“Entendo-o configurado diante da proximidade de vigência do novo modelo, considerando ainda que a complexidade e relevância da questão justifica a urgência para que, a partir de tal decisão, se dê início imediato à construção de uma solução efetiva, perene e consentânea com os parâmetros constitucionais reguladores da matéria”, escreveu o ministro na decisão.

Ele deu prazo de cinco dias para que Câmara, Senado e o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) se manifestem sobre o tema. Em seguida, a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a AGU terão prazo semelhante.

O pedido de liminar, feito por meio de ação direta de constitucionalidade (ADI), foi protocolado na noite de quinta-feira (12). Pouco antes, o presidente afirmou, durante transmissão ao vivo nas redes sociais, que iria recorrer à para tentar obrigar a Petrobras reduzir o preço dos combustíveis.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Ele admitiu, no entanto, que são remotas as possibilidades de conseguir decisão favorável e reclamou de interferências do Judiciário em medidas para enfrentar a alta na inflação.

Segundo a ação apresentada pelo governo ao STF, há “persistência da prática de alíquotas assimétricas”, o que, argumenta a AGU, “onera significativamente os contribuintes, que já se encontram pesadamente impactados pela variação drástica do preço dos combustíveis na atual conjuntura”.

“A uniformização de alíquotas é outra medida fundamental para tornar os combustíveis menos suscetíveis a flutuações conjunturais, para aperfeiçoar a transparência a previsibilidade no preço desses insumos”, disse a AGU ao pedir uma liminar para suspender as cláusulas do convênio firmado entre os Estados que permitiu o desconto sobre a alíquota máxima.

Propaganda. Role para continuar lendo.

No último dia 10, entrou em vigor o mais novo reajuste sobre o preço diesel. O aumento foi de 8,9% no preço pago pelas distribuidoras, e o valor médio do litro subiu de R$ 4,51 para R$ 4,91.

Em meio à crise causada pelos sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis, Bolsonaro trocou o presidente da Petrobras e o ministro de Minas e Energia.


Propaganda. Role para continuar lendo.

Veja também

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

BRASIL

Presidente do Senado afirmou que o ato do presidente foi mais um episódio "de anormalidade institucional que a gente busca corrigir"

BRASIL

Insígnia Vitória foi concedida pelo Ministério da Defesa

BRASIL

Deputado foi punido por não utilizar tornozeleira eletrônica

BRASIL

Ministros apontam "seriedade e competência" no colega de Corte

Anúncios