Siga-nos em

Buscas no site

Ministro Da Cultura De Cuba Filmou Espancamento De Jornalista Durante Protesto
Ministro Da Cultura De Cuba Filmou Espancamento De Jornalista Durante Protesto
Ministro Da Cultura De Cuba Filmou Espancamento De Jornalista Durante Protesto

MUNDO

Ministro da Cultura de Cuba filmou espancamento de jornalista durante protesto

Um grupo de dissidentes cubanos que se reuniu ante a sede do Ministério da Cultura em Havana na quarta-feira filmou o ministro da Cultura, Alpidio Alonso, agredindo fisicamente um jornalista e roubando seu telefone celular.

Que tal a classe artística do Brasil sentir na pele o lá em Cuba?

Um grupo de dissidentes cubanos que se reuniu ante a sede do Ministério da Cultura em Havana na quarta-feira filmou o ministro da Cultura, Alpidio Alonso, agredindo fisicamente um jornalista e roubando seu telefone celular.

Alonso estava entre vários funcionários do Partido Comunista que recorreram à violência diante de uma pequena multidão pacífica reunida em frente ao ministério para exigir uma palavra a dizer sobre como seu governo administra a comunidade artística. O grupo também escolheu a data em homenagem ao fundador e poeta cubano José Martí, nascido em 28 de janeiro.

Relatórios indicam que menos de 30 pessoas se reuniram perante o Ministério da Cultura, mas o grupo foi o suficiente para intimidar as autoridades à violência.

Propaganda. Role para continuar lendo.

O incidente ocorreu após um protesto sem precedentes no mesmo local em novembro. Centenas de artistas e outros intelectuais, a maioria deles parte do crescente movimento artístico juvenil de Cuba, organizaram uma manifestação em frente ao Ministério da Cultura em novembro, depois que a polícia atacou um membro do Movimento San Isidro, um coletivo artístico anticomunista. Vários membros do movimento fizeram greve de fome em resposta à prisão de um de seus integrantes, o rapper Denis Solís. Solís foi condenado a oito meses de prisão por filmar um policial entrando ilegalmente em sua casa.

A prisão de Solís desencadeou uma onda implacável de agitação na nação-ilha, que sofreu mais de meio século de . O próprio Movimento San Isidro foi fundado como uma resposta a uma maior repressão aos artistas através da aprovação do Decreto 349 em 2018, que torna ilegal para qualquer cidadão cubano criar qualquer item cultural – uma música, um filme, um vídeo, uma pintura – sem autorização do Ministério da Cultura.

Dissidentes começaram a divulgar vídeos de Alonso, o ministro da Cultura, atacando Mauricio Mendoza, jornalista da publicação  Diario de Cuba, nas redes sociais na tarde de quarta-feira. Alonso, em uma camisa azul escura, parece dar um tapa em Mendoza e roubar seu telefone antes que a multidão de funcionários ao redor dele também comece a dar um soco. Não há indícios de que a multidão de repórteres e dissidentes representasse qualquer ameaça física às autoridades.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Os meios de comunicação dissidentes cubanos informaram que, após o ataque a Mendoza, o Partido Comunista enviou agentes de segurança do Estado para reprimir violentamente a assembleia, prendendo todos os presentes. De acordo com o veículo independente Cubanet, a polícia usou um ônibus para reunir os dissidentes e levá-los embora, detendo-os indefinidamente e aparentemente sem acusações legais. Pelo menos quatro dos presos foram libertados até quinta-feira, enquanto outros dois estão em prisão domiciliar. O paradeiro do resto permanece amplamente desconhecido. Em casos de prisões em massa de dissidentes, no entanto, a polícia cubana muitas vezes os afasta e os deixa perdidos por horas em sua casa, sem nenhuma maneira de voltar, então é possível que muitos dos detidos sejam tecnicamente livres, mas não puderam entrar em contato família.

Mendoza, vítima do ataque de Alonso, foi detido por cerca de três horas sem receber uma razão para a privação de sua liberdade. Ao detalhar sua experiência para a publicação, o jornalista lembrou que estava transmitindo a cena fora do Ministério da Cultura ao vivo nas redes sociais quando o próprio ministro o agrediu.

“Quando o Alpidio saiu, cheguei perto com meu telefone para transmitir uma [sic] ao vivo e ele me bateu”, disse Mendoza. “Foi quando tudo aconteceu.”

Mendoza estava entre os que foram forçados a entrar em um ônibus e disse ter testemunhado os espancamentos violentos de duas mulheres, as dissidentes Camila Lobón e Celia González, no ônibus. Ele também afirmou que a polícia posteriormente espancou ele e os outros detidos na delegacia para onde foram levados.

Propaganda. Role para continuar lendo.

O Ministério da Cultura emitiu um comunicado após o incidente alegando que os artistas e jornalistas envolvidos eram “mercenários … pagos por agências federais americanas” e que o ministério não negociaria com “contra-revolucionários”. O comunicado também acusa os dissidentes de violar protocolos de distanciamento social supostamente em vigor, mas pouco aplicados àqueles não considerados dissidentes, para combater a pandemia do coronavírus chinês.

“De forma francamente irresponsável, os que ficaram na rua expressaram que não iriam embora. Durante as mais de duas horas que transcorreu o incidente, meios de comunicação pagos pelo governo dos Estados Unidos comentaram ao vivo o que estava acontecendo e reforçaram os argumentos provocativos dos contra-revolucionários ”, afirmou o ministério.

O Diario de Cuba informou que, mais tarde naquela noite, o governo cubano transmitiu uma reportagem sobre o ataque de Alonso a um jornalista usando um vídeo editado seletivamente para omitir o ataque de Alonso. A televisão estatal cubana também lembrou ao público que a constituição comunista do país proíbe a liberdade de expressão em casos de “segurança coletiva, bem-estar geral [e] respeito à ordem pública” – tudo interpretado vagamente para beneficiar o Partido.

Os Defensores dos Prisioneiros Cubanos , organização de direitos humanos que monitora prisões arbitrárias e de motivação política na ilha, denunciou o ataque a jornalistas e artistas em um comunicado na quinta-feira.

Propaganda. Role para continuar lendo.

“É claro que se os ministros de Cuba se comportam dessa maneira”, dizia o comunicado, referindo-se ao ataque de Alonso, “acreditamos que algo que temos dito há muito tempo na Defensores dos Prisioneiros é óbvio: Cuba é uma fascista que não tem nada a ver com a social-democracia e que deve ser isolada de qualquer apoio ideológico, pois representa o fascismo reacionário e ao mesmo tempo o leninismo mais retrógrado ”.

O comunicado passou a se referir a Cuba como um “perigo para a região e para o mundo”.

Em janeiro de 2021, os defensores dos prisioneiros cubanos haviam confirmado 138 casos de pessoas condenadas a penas de prisão por motivos políticos.

Que tal a classe artística do Brasil sentir na pele o socialismo lá em Cuba?

Propaganda. Role para continuar lendo.

Comunistas cubanos: acrescentam carne de Ratos ‘à mesa de jantar da família’

Autoridades cubanas destroem igreja e prendem pastor que filmou demolição

Exército chinês recebe ordens de se preparar para a guerra ‘a qualquer segundo’

Nicolás Maduro zomba das eleições nos EUA: a Venezuela é ‘civilizada e transparente’


Veja também

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

BRASIL

"Temos de cortar essa palavra", disse Evandro Cini a Alexandre Borges

MUNDO

Custo dos itens essenciais no país chegou a 459,84 dólares no mês de junho

BRASIL

Caso aconteceu no Espírito Santo

BRASIL

Apoiadores de Bolsonaro ficaram indignados com a fala do poeta; confira

Anúncios