Siga-nos em

Buscas no site

Argentina Registra 1ª Morte No País Por Aborto Legalizado
Argentina Registra 1ª Morte No País Por Aborto Legalizado
Argentina Registra 1ª Morte No País Por Aborto Legalizado

MUNDO

Argentina registra 1ª morte no país por ‘aborto legalizado’

– Se María tivesse morrido na clandestinidade, as feministas estariam destruindo a cidade inteira, mas como María #MorreuPorAbortoLegal, e isso não lhes convém, ignoraram – destacou nas redes sociais.

A prática é autorizada no país desde o final de 2020

María del Valle González López é a primeira vítima registrada do aborto legalizado. A jovem tinha 23 anos, estudava serviço social na Universidade Nacional de Cuyo, e era presidente da Juventude Radical de La Paz, na província de Mendoza (Argentina). No último domingo (11), ela morreu após se submeter a um aborto em um hospital local. Foi a primeira morte registrada no país depois da aprovação da lei do aborto, que ocorreu em 30 de dezembro passado.

De acordo com o jornal argentino Clarín, a jovem dirigiu-se ao hospital Arturo Illia, na cidade de La Paz, “para solicitar um procedimento de interrupção legal” da gravidez, termo usado para se referir ao aborto.

– Lá, prescreveram um medicamento – presume-se que seja misoprostol – e logo após ela começou a se sentir mal. Ela foi encaminhada ao principal centro de saúde da zona leste de Mendoza, o hospital Perrupato, onde diagnosticaram uma infecção geral que causou a sua morte – relata o Clarín.

O misoprostol é uma prostaglandina que faz com que o útero expulse o que há em seu interior. No caso de gravidez, faz com que a mãe perca o feto, o que pode causar sangramento na mulher.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Em alguns casos, o sangramento pode fazer com que a mãe entre em choque hipovolêmico e morra.

O Dr. Luis Durand, médico cirurgião argentino, explicou à mídia local que embora alguns afirmem que a morte da jovem poderia ter ocorrido por “negligência”, na realidade “o aborto não é uma prática médica. Até poucos meses atrás, para a lei argentina, era um ato criminoso”.

– Agora é um ‘instrumento legalizado’ para supostamente beneficiar uns e punir outros, e isso não é um ato médico, independentemente de ser legal ou não – declarou.

Lupe Batallán, líder do movimento pró-vida Guadalupe Batallán, lembrou que a causa da morte da jovem de 23 anos foi um “aborto legal”, por isso que “as feministas ficam quietas”.

Propaganda. Role para continuar lendo.

– Se María tivesse morrido na clandestinidade, as feministas estariam destruindo a cidade inteira, mas como María #MorreuPorAbortoLegal, e isso não lhes convém, ignoraram – destacou nas redes sociais.

Isso não é um ato médico, independentemente de ser legal ou não

– Hoje o radicalismo sofre grande tristeza pela saída de María del Valle González López, presidente da Juventude Radical de La Paz. Acompanho todos os seus familiares, amigos e a família Radical nesta imensa dor e tristeza – escreveu o médico argentino Daniel Orozco ao compartilhar a notícia nas redes sociais.


Os políticos católicos que apoiam o aborto deveriam ser excomungados, afirma o cardeal

O Templo Satânico processa o Texas por regulamentos que ‘interferem’ no ‘ritual de destruição’ do aborto

Feminista pode pegar 8 anos de prisão por organizar protestos pela promoção do aborto

Argentina: Novos bloqueios Explodem As Tensões no país à medida que aumenta o número de casos


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Em uma rede social, senador defendeu o jogador Maurício Souza

BRASIL

Falas do atleta sobre bissexualidade do novo Superman sofreram represálias

MUNDO

Documento passa a contar com marcador para pessoas que não se identificam com o gênero masculino nem o feminino

BRASIL

Em carta, atletas defenderam o direito à liberdade de expressão do jogador

Anúncios