Siga-nos em

Buscas no site

Telemedicina Pode Ser Usada Para Auxiliar Procedimentos De Aborto
Telemedicina Pode Ser Usada Para Auxiliar Procedimentos De Aborto
Telemedicina pode ser usada para auxiliar procedimentos de aborto Foto: Reprodução

BRASIL

Absurdo: MPF se manifestou apoiando o aborto em casa na pandemia

Cartilha do hospital de Uberlândia ensina a prática do chamado “teleaborto”

Cartilha do hospital de Uberlândia ensina a prática do chamado “teleaborto”

Uma cartilha orientando mulheres a como realizar o não penalizado em casa durante a pandemia recebeu apoio do Ministério Público Federal (MPF), embora vá na contramão das recomendações do Ministério da Saúde e da Anvisa, e tenha sido contrariada pela Procuradoria da República em Minas Gerais e pela Defensoria Nacional dos Direitos Humanos (DNDH).

A cartilha em questão foi publicada pelo hospital de Uberlândia (MG) no início deste ano, com apoio do Instituto Anis. O texto ensina mulheres a efetuarem a interrupção das gestações em suas próprias casas, em casos de estupro, anencefalia do bebê e risco de morte para a gestante. Para isso, orienta o chamado “teleaborto”, assistido por médicos virtualmente.

Dois meses após procuradores e defensores públicos confrontarem a cartilha, o MPF decidiu endossar oficialmente o conteúdo.

Propaganda. Role para continuar lendo.

A Procuradoria da República em Minas Gerais e a Defensoria Nacional dos Direitos Humanos (DNDH) entraram com pedido em maio para que providências fossem tomadas contra o documento.

Em junho, o Ministério da Saúde se posicionou em nota, informando que o aborto não faz parte dos procedimentos para os quais a telemedicina estaria liberada na pandemia. O próprio laboratório que produz o medicamento faz recomendação contrária a prática doméstica na bula.

Ainda assim, em julho, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal (MPF), emitiu nota anulando a recomendação contra a cartilha e avalizando o teleaborto.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Após a nota técnica da PFDC, procuradores pró-vida pediram ao Ministério da Saúde que se posicione em relação ao assunto.

Especialistas consultados pelo jornal Gazeta do Povo apontam ainda que o endosso à prática contraria também o Código Civil, da Lei 13.989/2020 – que trata da telemedicina na pandemia –, além de evidências científicas em campos como a obstetrícia e a psicologia.

– Se esta prática é feita, a gestante tem que ser acompanhada todo o tempo. Não é isento de risco. Pode haver ruptura uterina, consequências posteriores… Não há nenhuma justificativa. E, inclusive, no momento, a maior parte dos hospitais já retomou as cirurgias eletivas. A gente certamente não está no momento da pandemia que justifique uma aplicação do teleaborto, o que mostra que há segundas intenções. Isso está claríssimo. O que se quer é tornar acessível ao público em geral uma orientação sobre como fazer aborto – declarou Lenise Garcia, professora aposentada do Instituto de Biologia da Universidade de Brasília (​UnB) e presidente do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida Brasil Sem Aborto.

Propaganda. Role para continuar lendo.


Esquerdismo: Lula diz que Aborto é “questão de saúde pública” e “direito da mulher”

Suprema Corte descriminaliza a prática do aborto no México

Envolvido em escândalos, PT elabora “manual anticorrupção”

Esquerdismo: Mulher vai abortar, recebe Bíblia, e PSOL pede explicação


Veja também

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

BRASIL

Ministério da Saúde discute cartilha que diz que "todo aborto é crime". Ministro cita violação de direito das mulheres

BRASIL

Ministro do STF também falou sobre o caso de menina de 11 anos grávida em Santa Catarina

BRASIL

Será a 15ª edição do evento, que terá o apoio da atriz Cássia Kiss

MUNDO

“Ajude-me a abortar meus bebês”, teria dito uma das manifestantes enquanto dançava no chão em frente às portas da igreja.

Anúncios