Siga-nos em

Buscas no site

Conheça Nick Clegg, Um Nerd Britânico Que Decide O Que Os Americanos Podem Ler No Facebook
Conheça Nick Clegg, Um Nerd Britânico Que Decide O Que Os Americanos Podem Ler No Facebook
Conheça Nick Clegg, Um Nerd Britânico Que Decide O Que Os Americanos Podem Ler No Facebook

MUNDO

Conheça Nick Clegg, um nerd britânico que decide o que os americanos podem ler no Facebook

Quem é Sir Nick Clegg, o vice-presidente de assuntos globais do Facebook, que está colocando a cultura da liberdade de expressão da América em algemas ao continuar a banir Donald Trump da plataforma?

Quem é Sir Nick Clegg, o vice-presidente de assuntos globais do Facebook, que está colocando a cultura da liberdade de expressão da América em algemas ao continuar a banir Donald Trump da plataforma?

O homem que escreveu a postagem no Facebook excluindo Trump em janeiro e decidirá se a tornará permanente é um político esquerdista britânico de carreira, outrora descrito como o preservativo de David Cameron por Boris Johnson.

Saboreie isso por um momento: o ex-chefe de um partido que se autodenomina “Democratas Liberais”, da pátria supostamente amante da liberdade da Carta Magna, está impedindo os americanos de ouvir os pensamentos de uma pessoa que foi escolhido como presidente. Qual foi o objetivo da Revolução Americana se algum nerd britânico aristocrático pode decidir quem vai falar?

Clegg, 54, o ex-vice-primeiro-ministro da Grã-Bretanha até ser expulso daquele país por odiadores de ambos os lados, assumiu um cargo muito maior do que jamais teve em Londres, onde, como o número 2 de David Cameron, ele teve um título exaltado, mas quase nenhum poder. Johnson, então prefeito, ridicularizou-o como “o tipo de dispositivo de proteção profilática para cães de estimação de Cameron”.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Depois que o partido conservador de Cameron ganhou uma grande pluralidade, mas não a maioria, de assentos no Parlamento em 2010, os conservadores tiveram que formar uma coalizão com alguém para governar. Esse alguém foi o liberal democrata de Clegg, um partido de gentry liberais com formação universitária (pense em Hugh Grant) que ama a União Europeia muito mais do que os membros sindicais da classe trabalhadora que são a base tradicional do Partido Trabalhista.

Com algumas concessões menores, Clegg teve a sorte de ser vice-primeiro-ministro de Cameron, embora isso significasse jogar ao mar um de seus ideais mais acalentados – educação universitária virtualmente gratuita – a fim de reduzir o déficit orçamentário.

Portanto, a esquerda odeia Clegg por ser um traidor, e à direita, bem … pense em um modelo mais jovem de Al Gore: um robô político de classe alta monótono, sério e hipócrita que sempre lhe dará alguma explicação tecnocrática do porquê de tudo ‘ Você não tem permissão para comer aquele sanduíche naquele banco de parque específico neste momento específico.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Ou, neste caso, por que não se pode confiar nos americanos para decidir por nós mesmos o que pensamos de uma postagem de Donald Trump no Facebook. Clegg é um regulador nato, o tipo de cara que, quando criança, ansiava por ser monitor de salão (ou prefeito, o equivalente britânico) e passou a vida subindo na escada burocrática.

Os Cleggs do mundo adoram a UE, o superestado da burocracia que tão engenhosamente se separou de qualquer coisa tão irritante quanto a vontade dos eleitores. Clegg conseguiu irritar tantas pessoas que perdeu seu assento no Parlamento em 2017.

Clegg é o tipo de cara que gosta de fazer aulas de verão em Rangoon, o tipo de cara comum que todos nós não queremos para decidir o que podemos ou não ler no Facebook. Ele tem uma avó baronesa, um pai banqueiro e uma mãe holandesa. Ele passou seu ano sabático ensinando esqui na Áustria, um verão como banqueiro em Helsinque e uma vez foi preso por colocar fogo em alguns cactos raros em Munique. Agora, esse “servidor público” de carreira mora em um palácio de US $ 10 milhões na Califórnia.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Um liberal como Clegg nunca iria tão longe a ponto de usar o Facebook para censurar, muito menos censurar um cara que foi presidente há quatro meses. Não, em vez disso, Clegg lavou a decisão de censurar passando-a para a Suprema Corte do Facebook: o “conselho de supervisão” composto de conselheiros que …, pensam exatamente da mesma forma que Clegg. Que é: a melhor maneira de vencer uma discussão é encontrar uma maneira de calar o outro lado.

O conselho direcionou a decisão de volta para Clegg. Alguém realmente acha que ele vai reverter o caso?

Fonte: NyPost

Propaganda. Role para continuar lendo.

Relatório: Diretrizes do Facebook permitem ‘apelos à morte’ de figuras públicas

O Facebook quer criar uma versão do Instagram para crianças menores de 13 anos

Censura: Justiça de SP proíbe governo de promover tratamento precoce

Censura: Twitter remove posts de críticas à Índia por gestão da pandemia


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Requerimento da CPI da Covid representa "uma afronta à liberdade de expressão", diz o documento

MUNDO

É melhor espalhar a verdade do que censurar. Isso é o que recomenda o fundador do Telegram e VKontakte, Pawel Durow, ao criticar as...

BRASIL

Deputado alega que teve seus direitos fundamentais violados

BRASIL

Deputado posou sozinho na câmara durante o recesso parlamentar

Anúncios