Siga-nos em

Buscas no site

Ministro Da Educação Defende Ensino Domiciliar Em Audiência
Ministro Da Educação Defende Ensino Domiciliar Em Audiência
Ministro Da Educação Defende Ensino Domiciliar Em Audiência

BRASIL

Ministro da Educação defende ensino domiciliar em audiência

Milton Ribeiro participou de debate virtual da Câmara dos Deputados sobre o tema

Milton Ribeiro participou de debate virtual da Câmara dos Deputados sobre o tema

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, saiu em defesa da educação domiciliar, conhecida pelo termo homeschooling, em audiência que participou nesta segunda-feira (5), na Câmara dos Deputados. Ele destacou que o governo prioriza o tema para “colocar na legalidade mais de 35 mil famílias” que já optam pelo modelo, nas suas contas.

A audiência na Câmara é parte de um ciclo de debates promovido pela relatora de projetos de lei sobre o tema, deputada Luisa Canziani (PTB-PR). Há ao menos oito projetos que tramitam sobre homeschooling, parte para permitir e parte para proibir a prática. O homeschooling prevê a participação dos pais no ensino dos filhos ou a contratação de professores particulares.

– Hoje, na verdade, 85% dos países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] já aderiram ao homeschooling. São cerca de 65 países. E os projetos não obrigam ninguém a aderir. É claro que a escola oferece essa questão (socialização), mas existem outras formas de socializar, na família, nos clubes, nas bibliotecas e até mesmo nas igrejas – disse Milton Ribeiro, segundo informações da Agência Câmara de Notícias.

A posição de Ribeiro ganhou apoio da ministra Damares Alves, que também participou da audiência. O deputado Lincoln Portela (PL-MG) criticou o que chamou de perseguição a famílias adeptas do ensino domiciliar.

Propaganda. Role para continuar lendo.

A adoção do homeschooling é alvo de críticas de especialistas em educação. A presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Maria Helena Guimarães de Castro, participou da audiência, apontando que o modelo domiciliar comprometeria a socialização do estudante, além de impedir o contato com diferentes ideias e pensamentos, desconsiderando ainda a importância da formação pedagógica e técnica dos professores.

– Na minha visão, a regulamentação do ensino domiciliar compromete a convivência com diferentes grupos sociais, parte essencial do processo educativo e de humanização, pelos quais se estabelece relações de empatia, de solidariedade e de cidadania, essenciais para o desenvolvimento social, afetivo, psíquico e cognitivo de crianças e jovens – disse Maria Helena.

A relatora dos projetos, Luisa Canziani, apresentará um relatório final ao plenário, mas ainda não há data para isso ocorrer. Os debates devem seguir ocorrendo sobre o tema.

Fonte: Estadão

Propaganda. Role para continuar lendo.

VEJA: Prioridade do Governo Bolsonaro, Homeschooling cresce nos EUA no último ano


A pedido de PT e PSOL, Justiça suspende reabertura de escolas

Um novo motivo para evitar escolas públicas

Nenhuma Criança Em Idade Escolar Morreu De COVID Na Suécia Durante A ‘Primeira Onda’, Apesar Das Escolas Estarem Abertas

Fechar escolas não é apenas extremamente inconveniente. É social e moralmente errado


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

BRASIL

Em suas redes sociais, ele criticou as medidas de lockdown e defendeu a liberdade

BRASIL

'Mafiosos envolvidos na Educação [estão] usando dinheiro da população para fazer palanque político para a esquerda', disse Anderson Moraes

BRASIL

“Não tem mais animais na Venezuela. Comeram tudo. Não é só gato e cachorro não, até cavalo." afirmou o presidente.

BRASIL

Carlos Jordy e Filipe Barros ainda representaram na PGR contra o ministro por abuso de autoridade

Anúncios