Siga-nos em

Buscas no site

Por Que Não Devemos Nos Preocupar Com As Super Cepas De Covid
Por Que Não Devemos Nos Preocupar Com As Super Cepas De Covid
Por Que Não Devemos Nos Preocupar Com As Super Cepas De Covid

Artigos

Por que não devemos nos preocupar com as ‘super’ novas cepas da Covid

“com o tempo, as pessoas (principalmente durante a infância) adquirem gradualmente um certo nível de imunidade, resultando em maior sobrevivência quando posteriormente expostas a esses vírus.”

Devemos nos preocupar com as novas variantes do Covid?

Muito se falou nas últimas semanas sobre o potencial de surgimento de novas cepas de Covid e o perigo de uma nova super-variante contornando todas as nossas vacinas e defesas existentes do corpo para causar outra pandemia global ainda pior do que esta.

Mas, embora eu diria que isso não é impossível e poderia acontecer, seria muito incomum se isso acontecesse.

Sabemos por epidemias anteriores o que acontece quando uma população encontra um novo vírus. Quando os europeus descobriram a América do Sul, as infecções virais que eles importaram – sarampo, varicela, varíola, gripe – mataram mais indígenas do que qualquer uma das guerras relacionadas que ocorreram.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Mas com o tempo, as pessoas (principalmente durante a infância) adquirem gradualmente um certo nível de imunidade, resultando em maior sobrevivência quando posteriormente expostas a esses vírus. A varíola já foi erradicada e a imunidade ao sarampo e à varicela é muito estável e geralmente dura a vida toda.

Mesmo nos tempos modernos, vemos uma diferença na mortalidade entre as populações ‘endêmicas’ e os viajantes ‘visitantes’ devido a muitas doenças infecciosas – como a febre de Lassa e a malária – onde as populações locais desenvolveram gradualmente algum grau de imunidade ao longo de décadas de exposição, o que reduz o impacto da doença.

Isso faz todo o sentido do ponto de vista evolucionário – é muito melhor para um patógeno manter seu hospedeiro vivo, porque do contrário ele não pode se replicar e eventualmente morrerá.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Embora existam algumas diferenças, os vírus que causam gripe (influenza) e Covid-19 (SARS-COV-2) são semelhantes, pois nossa imunidade natural se adaptará e responderá a cada nova variante de vírus com novas gerações de anticorpos específicos (produzidos por células B) e as respostas das células T – e nosso sistema imunológico pode se lembrar dessas diferentes variantes de vírus para o resto da vida.

Além disso, embora as vacinas de proteína única (como a maioria das vacinas de proteína S de Covid-19) indiquem uma resposta imunológica específica a apenas um antígeno codificado, quando alguém é infectado com o vírus real, isso estimula uma gama mais ampla de respostas imunológicas mais duradouras que também pode oferecer proteção cruzada parcial contra infecções semelhantes.

Mesmo se você for vacinado com uma única vacina de proteína Covid-19, seu sistema imunológico provavelmente encontrará ocasionalmente o vírus SARS-COV-2 conforme você apenas respira o ar ao seu redor – e isso ainda irá desencadear respostas imunológicas específicas – mesmo se a infecção não ‘pegar’ devido à vacina.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Se o vírus contiver algumas mutações que tornaram a vacina menos eficaz, ou se os anticorpos da sua vacina diminuíram significativamente, você pode ter uma infecção leve ou mesmo assintomática, mas então seu sistema imunológico se lembrará dessas variantes do vírus e reagirá mais rapidamente a elas no futuro.

Com as notícias recentes das variantes sul-africana e agora brasileira (P1), bem como as variantes Kent, Bristol e Liverpool aparecendo na população do Reino Unido, quão eficaz podemos esperar da atual primeira geração de vacinas Covid-19 no Reino Unido (Pfizer e AstraZeneca) para ser? Os dados recentes sugerem que a vacina Pfizer manterá a maior parte de sua eficácia contra essas variantes, enquanto a proteção da vacina AstraZeneca ainda deve ser eficaz contra a variante Kent anterior, mas pode ser menos eficaz contra as outras variantes (que possuem o E484K S proteína mutação) – mas exatamente quanto menos na vida real em uma grande escala populacional, ainda está para ser visto.

Ao longo da vida, seu corpo construirá uma biblioteca imunológica de variantes do SARS-COV-2 e respostas imunológicas para que quando você tiver mais de 65 anos – ao contrário dos mais de 65 anos em 2020 – seu corpo e sistema imunológico terá um enorme exército de anticorpos parcialmente reativos / protetores e células T que são capazes de responder rapidamente a qualquer nova variante do vírus que irá reduzir a gravidade da doença e ganhar tempo enquanto você desenvolve um novo sistema imunológico específico resposta a esse novo vírus.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Claro, novos vírus super-variantes são possíveis – é por isso que temos pandemias de influenza a cada poucas décadas – mas são raros, e entre essas pandemias, não devemos ver a terrível mortalidade que vimos em 2020, quando a população mundial foi exposta a Covid-19 pela primeira vez.


ESCRITO POR Julian W Tang | Traduzido do Inglês para o Português

Dr. Julian W Tang é Professor Associado Honorário e Virologista Clínico, Ciências Respiratórias da Universidade de Leicester

Propaganda. Role para continuar lendo.

FONTE: https://www.spectator.co.uk/article/why-we-shouldn-t-worry-about-covid-super-strains


Apelo das autoridades britânicas para que pessoa misteriosa infectada com a cepa ‘brasileira’ da Covid-19 apareça

‘Medidas agressivas necessárias’: Índia descobre 240 novas cepas de Covid-19, possivelmente mais infecciosas

A microbiologista tcheca Soňa Peková afirma que a cepa da covid da 2ª e 3ª ondas foi artificialmente projetada

Outra cepa mutante da covid-19 detectada em los angeles é provavelmente “resistente à vacina”


Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

MUNDO

Uma mulher do Alasca disse que testou positivo para COVID-19 depois de ter sido totalmente vacinada - e depois de já ter contraído o...

BRASIL

Marilene Saade, mulher do ator, contou que ele tomou as 2 doses da vacina Coronavac; a primeira no dia 9 de fevereiro e a...

Artigos

O coquetel fora utilizado no ano passado, no tratamento do então presidente Donald Trump

Artigos

Este microchip é inserido abaixo da pele. Se você tiver infecção, este chip aciona o sensor.

Anúncios